Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Presidente das Filipinas pede que cidadãos “matem drogados”

Rodrigo Duterte tomou posse como presidente na quinta-feira e ressaltou seu plano de acabar com a vida de "mais de 100.000 criminosos"

O controverso presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, tomou posse nesta quinta-feira e aproveitou o momento para refirmar sua intenção de assassinar traficantes de drogas e outros criminosos. O novo líder fez um discurso comedido durante a cerimônia oficial, porém, à noite, em visita a uma favela na cidade de Manila, preferiu seguir a linha dos discursos de campanha que o elegeram e pediu que a população faça “justiça” com as próprias mãos.

“Esses filhos da p* estão destruindo nossas crianças. Eu estou avisando vocês, não entrem nisso, porque eu vou matá-los”, esbravejou para a audiência de 500 pessoas. “Se você conhece algum drogado, vá em frente e mate-o por conta própria, já que pedir para que os pais dele o façam seria muito doloroso”, disse Duterte. Reiterando sua promessa de campanha favorita de “esquecer dos direitos humanos”, o presidente afirmou que era um bom momento para abrir serviços funerários. “Eu asseguro vocês que não irão falir. Se seu negócio está devagar, eu vou dizer para a polícia ‘matem mais rápido para ajudar as pessoas a ganhar dinheiro'”, declarou.

Leia também:

Filipinas: candidato que faz piada com estupro e desdenha de direitos humanos é eleito presidente

Congresso das Filipinas declara Duterte vencedor de eleição presidencial

O advogado e ex-procurador de 71 anos ganhou fama como o prefeito autoritário da cidade de Davao, que comandou em quatro mandatos diferentes desde 1988, intercalando a liderança com a sua filha Sara Duterte. No passado, já havia expressado sua intenção de reintroduzir a pena de morte nas Filipinas e prometeu “matar 100.000 criminosos” durante seu período como líder nacional. No tempo em que Davao estava sob comando de Duterte, a polícia da cidade foi acusada por grupos de direitos humanos de ter assassinado mais de mil pessoas ilegalmente.

(Da redação)