Clique e assine a partir de 9,90/mês

Presidente da Itália concede mandato de premiê a Giuseppe Conte

Advogado é apoiado pelo partido anti-establishment Movimento 5 Estrelas e não tem experiência política

Por Da Redação - Atualizado em 23 maio 2018, 18h08 - Publicado em 23 maio 2018, 16h01

O presidente da Itália, Sergio Mattarella, deu ao político novato Giuseppe Conte um mandato para se tornar primeiro-ministro de uma coalizão montada pelos partidos Liga Norte, de extrema direita, e Movimento 5 Estrelas.

Ugo Zampetti, secretário-geral do Palácio do Quirinale, confirmou a informação ao final de uma reunião de quase duas horas entre Mattarella e Conte nesta quarta-feira 23.

Professor de direito de Florença, Conte vai agora elaborar uma lista de ministros, que devem ser aprovados pelo chefe de Estado antes que seu governo possa ser empossado.

A Itália está em um impasse desde as eleições inconclusivas de março. Depois de semanas de negociações infrutíferas entre várias partes, o 5 Estrelas e a Liga finalmente concordaram com um pacto de governo na última sexta-feira, prometendo aumentar os impostos e os gastos públicos.

Continua após a publicidade

Conte é apoiado pelo partido antiestablishment 5 Estrelas, mas não tem cargo eletivo ou experiência política e administrativa. Críticos dizem que ele corre risco de ser um líder excepcionalmente fraco, que terá pouca influência sobre seus parceiros de coalizão.

Uma vez que o governo seja empossado, seu programa ainda será colocado em votação em ambas as casas do Parlamento italiano, a Câmara dos Deputados e o Senado, onde os dois blocos têm uma pequena maioria.

A figura de Conte foi posta em dúvida nesta semana pela falta de experiência política, mas sobretudo depois que alguns veículos de imprensa informaram que o advogado mentiu sobre alguns de seus cursos em prestigiadas universidades em seu currículo.

Conte não comentou o caso e seus apoiadores, o M5S e a LN, confirmaram que ele seguia sendo o candidato apesar das acusações.

Continua após a publicidade

(Com Reuters e Estadão Conteúdo)

Publicidade