Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Presidente da Argentina promete investigação sobre apagão massivo

Macri classificou o blecaute como "sem precedentes"; segundo o ministro de Energia do país, investigação sobre o motivo da falha deve levar de 10 a 15 dias

Por da Redação 16 jun 2019, 17h32

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, disse que o blecaute massivo que deixou milhões de pessoas sem energia no país e no Uruguai sem energia neste domingo, 16, foi “sem precedentes” e prometeu uma investigação completa. Até o meio da tarde, metade do país teve a eletricidade reestabelecida, disse o presidente.

Segundo Macri, o blecaute foi causado por uma falha na rede costeira do país, mas disse que as autoridades ainda não sabiam os motivos do problema.

O secretário de Energia da Argentina, Gustavo Lopetegui, afirmou que a causa do apagão de grandes proporções no país ainda não é conhecida. Em entrevista coletiva neste domingo, ele disse: “Nós não temos informação sobre por que (o apagão) aconteceu” e que o governo espera ter a resposta nos próximos 10 a 15 dias.  Lopetegui declarou ainda que espera que a energia seja 100% restaurada até o fim do dia.

A empresa argentina de energia Edesur disse que um problema no sistema de interconexão começou em um ponto de transmissão de energia entre as estações de Yacyretá e Salto Grande.  A companhia uruguaia UTE disse que 75% do serviço havia sido restaurado no país.

O apagão ocorre em meio a uma profunda crise econômica na Argentina, que deixou quase um terço do país na pobreza, empurrou as taxas de juros para o alto e fez o peso cair contra o dólar, provocando protestos em massa em todo o país.

O blecaute maciço no Dia dos Pais deixou Buenos Aires no escuro nesta manhã, prejudicando o transporte público, cortando o suprimento de água e debilitando as comunicações por telefone e internet em toda a cidade. 6. Segundo a Secretaria de Energia argentina, o problema teve início às 7h07 devido a um “colapso do Sistema Argentino de Interconexão (SADI)”.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)