Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Presidente afegão pede fim de operações noturnas da Otan

No domingo, Karzai anunciou diálogo sobre 'cooperação duradoura' com EUA

Por Da Redação 20 dez 2011, 08h55

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, fez nesta terça-feira um pedido para a interrupção de forma imediata das controversas operações noturnas da Otan no país, afirmou o porta-voz do governo, Aimal Faizi. “O presidente do Afeganistão deseja a suspensão imediata das operações e ações noturnas, assim como revistas em casas de afegãos. Não deseja que nenhum estrangeiro entre na casa dos afegãos e reviste suas residências”, disse Faizi.

Na segunda-feira, o porta-voz da força da Otan no Afeganistão (Isaf), o general alemão Carsten Jacobson, afirmou que as polêmicas operações noturnas continuariam, apesar da morte de uma mulher durante uma destas ações na madrugada de sábado. “As declarações dos dirigentes da Otan estão em total contradição com as decisões da Loya Jirga, os pedidos do povo afegão refletidos pela Jirga, e com os desejos do presidente”, disse Faizi.

EUA – No domingo à noite, Karzai afirmou que seu governo está negociando um acordo a longo prazo com os Estados Unidos que inclui a presença militar. “Estamos negociando com os Estados Unidos uma cooperação duradoura”, declarou o presidente no programa Fareed Zakaria GPS, do canal CNN. “O acordo pode incluir a presença de tropas americanas no país durante determinado período, para treinar e equipar as forças afegãs”, completou.

Washington vai retirar 10.000 soldados do Afeganistão este ano e outros 23.000 até setembro de 2012. “A coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos tem sido capaz de proporcionar nos últimos 10 anos a estabilidade política que o Afeganistão precisa”, disse Karzai.

Porém, o presidente destacou que nem os Estados Unidos e nem o governo afegão conseguiram proporcionar o respeito da segurança da população. Também disse que não pode negociar a paz com os talibãs, a menos que os extremistas designem um representante autorizado.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade