Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Prefeito de NY demonstra preocupação com doença infantil ligada à Covid-19

Segundo Bill De Blasio, 38 casos de inflamação pediátrica foram detectados em Nova York, a cidade dos EUA mais afetada pela Covid-19

Por Da Redação 10 Maio 2020, 14h52

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, expressou neste domingo, 10, “uma séria preocupação” com o aumento de uma síndrome que afeta crianças que os cientistas acreditam estar ligada ao novo coronavírus.

Segundo De Blasio, 38 casos de inflamação pediátrica foram detectados em Nova York, a cidade dos EUA mais afetada pela Covid-19, e nove outros casos ainda estão sendo estudados.

ASSINE VEJA

Quarentena em descompasso Falta de consenso entre as autoridades e comportamento de risco da população transforma o isolamento numa bagunça. Leia nesta edição
Clique e Assine

Três mortes relacionadas a essa síndrome foram registradas no estado de Nova York, incluindo uma na capital financeira dos EUA, explicou o governador de Nova York, Andrew M. Cuomo. Uma das vítimas tinha cinco anos.

Os sintomas são febre, erupção cutânea, dor abdominal e vômitos. “O que faz, basicamente, é desencadear uma resposta intensa do sistema imunológico da criança. E isso machuca o corpo”, disse De Blasio.

Ele também afirmou que todas as crianças com esses sintomas serão testadas para Covid-19 e anticorpos.

Continua após a publicidade
  • Até o momento, 47% dos casos confirmados testaram positivo para o novo coronavírus e 81% para seus anticorpos, o que significa que eles foram infectados em algum momento desde o início da epidemia.

    Cuomo disse que pelo menos 73 crianças no estado de Nova York desenvolveram essa doença, semelhante à doença de Kawasaki.

    Descrita pela primeira vez em 1967 no Japão, a doença de Kawasaki afeta principalmente crianças pequenas. Sua origem não é conhecida com precisão e pode combinar fatores infecciosos, genéticos e imunológicos.

    Antes do aparecimento desses casos, pensava-se que, apenas excepcionalmente, a Covid-19 atingia as crianças de forma grave.

    (com AFP)

    Continua após a publicidade
    Publicidade