Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Portugal volta a permitir entrada de turistas da UE e do Reino Unido

Abertura representa trégua para setor do turismo, especialmente em relação ao Reino Unido, de onde já são previstos 22 voos nesta segunda-feira

Por Da Redação Atualizado em 17 Maio 2021, 13h47 - Publicado em 17 Maio 2021, 13h35

Dando início aos planos de retomada do turismo, Portugal passou a permitir nesta segunda-feira, 17, viagens não essenciais do Reino Unido e de países da União Europeia que tenham incidência em 14 dias inferior a 500 casos de Covid-19 por 100.000 habitantes.

Em nota, o Ministério da Administração Interna informou que os viajantes desses países não precisarão ficar em quarentena na chegada e somente serão obrigados a apresentar no embarque o resultado negativo de um teste PCR realizado nas 72 horas anteriores ao voo.

A abertura representa uma trégua para o setor do turismo português, especialmente em relação ao Reino Unido, visto que Portugal é um dos poucos países e territórios a nível mundial incluído por Londres na sua “lista verde” de destinos para este verão e se espera um importante chegada de turistas britânicos.

Ao todo, 22 voos do Reino Unido estavam previstos para Portugal já nesta segunda-feira, a maioria com destino à região do Algarve.

Para países europeus com alta incidência de casos — Croácia, Lituânia, Chipre, Holanda e Suécia —, assim como Brasil, Índia e África do Sul, apenas são autorizadas viagens essenciais, por motivos profissionais, de estudo, de reunião familiar, de saúde ou humanitários.

Continua após a publicidade

Além disso, é necessária, juntamente com o PCR negativo, uma quarentena de 14 dias em casa ou em local designado pelas autoridades de saúde à chegada a Portugal.

  • O governo estabeleceu que as companhias aéreas que permitirem o embarque de passageiros sem PCR negativo podem ser multadas entre 500 e 2.000 euros por cada passageiro.

    Depois de liderar o número de casos e mortes por Covid-19 na Comunidade Europeia e chegar a uma situação calamitosa no início do ano, Portugal conseguiu reduzir drasticamente o número de mortes pela doença. Agora vive a fase final da flexibilização das restrições do lockdown, que começaram a ser amenizadas em meadas de março. Escolas, restaurantes e cafés, shoppings, museus, entre outros serviços não-essenciais foram reabertos, mas se mantém sob regras rígidas de distanciamento e segurança.

    No sábado 15, o país notificou sete mortos pelo coronavírus, o número mais alto no último mês. No entanto, registrou quedas no número de pacientes internados e de casos ativos no território nacional.

    Ao todo, o país soma cerca de 842.000 casos, incluindo 17.007 mortes.

    Continua após a publicidade
    Publicidade