Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Portugal estende restrições a viajantes do Brasil até meados de maio

Apenas viagens essenciais, por motivo de saúde ou trabalho, estão autorizadas para o país que entrou hoje na última fase de flexibilização do lockdown

Por Da Redação 1 Maio 2021, 18h29

As viagens de turismo de brasileiros para Portugal continuam vetadas. O governo português anunciou neste sábado, 1, que estenderá até 16 de maio as restrições que impedem deslocamentos não essenciais de países com altos índices de infecção do novo coronavírus. Nesta lista, entre outros, estão incluídos o Brasil e a Índia – atualmente o epicentro da pandemia no mundo.

De acordo com o novo anúncio, viajantes de países onde há 500 ou mais casos de Covid-19 por 100.000 pessoas em um período de 14 dias podem entrar em Portugal se tiverem um motivo imprescindível, como trabalho ou saúde, devidamente comprovado. Nesta relação estão incluídos, por exemplo, passageiros provenientes da África do Sul, França e Holanda. Ainda assim, todos precisarão fazer uma quarentena de 14 dias.

As restrições que limitam a entrada no país apenas por motivos essenciais também se aplicam aos viajantes de países onde a incidência da doença é de 150 ou mais casos por 100.000, como os vizinhos Espanha e Alemanha. Os passageiros autorizados a entrar também precisam apresentar um comprovante de um teste negativo para Covid-19 realizado até 72 horas antes do embarque para Portugal. Quem não tiver o comprovante, terá que realizar o exame ao chegar e esperar o resultado no próprio aeroporto.

A manutenção das restrições ao tráfego aéreo de passageiros provenientes de alguns países foi anunciada no mesmo dia em que Portugal iniciou a última fase de flexibilização de lockdown e reabriu a fronteira terrestre com a Espanha, após mais de três meses de restrições e checagens.

Depois de liderar o número de casos e mortes por Covid-19 na Comunidade Europeia e chegar a uma situação calamitosa no início do ano, Portugal conseguiu reduzir drasticamente o número de mortes pela doença. Agora vive a fase final da flexibilização das restrições do lockdown, que começaram a ser amenizadas em meadas de março. Escolas, restaurantes e cafés, shoppings, museus, entre outros serviços não-essenciais foram reabertos, mas se mantém sob regras rígidas de distanciamento e segurança.

Continua após a publicidade
Publicidade