Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Portugal cumpre exigências do resgate um ano depois da vitória conservadora

Por Da Redação 5 jun 2012, 00h54

Lisboa, 5 jun (EFE).- Portugal celebra ter conseguido cumprir as duras exigências de seu resgate financeiro nesta terça-feira, quando se completa um ano da vitória eleitoral da centro-direita, que fez do saneamento das finanças nacionais sua principal prioridade.

Nas fileiras da coalizão conservadora que governa Portugal, proliferam as demonstrações de satisfação pelo cumprimento das condições do resgate, sob a liderança do próprio primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, que considera um ‘êxito’ o processo de recuperação do país.

Desde a oposição, por outro lado, tudo são críticas, e tanto os socialistas como as forças da esquerda marxista que completam o arco parlamentar acusam o Executivo conservador de levar Portugal à pobreza e prejudicar o crescimento e a criação de empregos.

O último relatório da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI), responsáveis pelo programa de saneamento, ratificou nesta segunda-feira que o país se encontra no ‘bom caminho’ da recuperação, embora ainda enfrente incertezas.

Portugal espera encerrar 2012 com uma queda do PIB de 3% e um nível de desemprego superior a 15%, o dobro de três anos atrás, embora planeje cumprir a redução de seu déficit fiscal, que deve descer a 3% no próximo ano.

O Partido Social Democrata (PSD) de Passos Coelho ganhou as eleições antecipadas de 5 de junho de 2011, semanas depois de UE e FMI terem aceitado conceder a Portugal 78 bilhões de euros para evitar sua quebra.

A coalizão lusa conseguiu a aprovação de UE e FMI nas quatro avaliações do programa de assistência realizadas desde então.

No entanto, não obteve o consenso da oposição e dos sindicatos, que organizaram duas greves gerais contra o Executivo conservador.

As forças de esquerda reprovam o Executivo pelos cortes salariais e as altas de impostos embutidos nos vencimentos, assim como pela redução dos subsídios sociais e dos orçamentos de saúde e educação no marco das severas medidas de austeridade aplicadas no país. EFE

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês