Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Por risco de atentado, Bruxelas cancela festa de Ano Novo

Na terça-feira, a polícia prendeu duas pessoas suspeitas de preparar ataques durante as festas de final de ano na capital belga

Por Da Redação 30 dez 2015, 21h34

A cidade de Bruxelas decidiu cancelar os fogos de artifício e as festividades de Ano Novo no centro da capital por risco de atentados, anunciou o prefeito Yvan Mayeur à rede de TV local nesta quarta-feira. “Infelizmente, os fogos de artifício, assim como tudo o que estava previsto para amanha (quinta-feira) à noite, concentraria um público muito grande no centro de Bruxelas, e nos vimos obrigados a cancelar tendo em conta a análise realizada pelo centro de crise”, declarou Mayeur à rede de TV pública La Une. No ano passado cerca de 100.000 pessoas assistiram as celebrações de Ano Novo na praça de Brouckère, no centro de Bruxelas. “Não vale correr riscos”, explicou Mayeur, para quem a situação atual não permite garantir o controle sobre todos os que vão assistir ao espetáculo.

Leia também:

Bélgica detém dois suspeitos de planejar atentados no Ano Novo

“Foi uma decisão delicada, difícil de tomar para o prefeito”, disse por sua vez o primeiro-ministro belga Charles Michel. Esta não é a primeira vez que a queima de fogos da véspera de Ano Novo em Bruxelas é cancelada: em 2007, a ameaça do terror também brecou a festa na cidade.

Na terça-feira, o Ministério Público belga informou que a polícia prendeu em Bruxelas duas pessoas suspeitas de preparar ataques durante as festas de final de ano. Estes “sérias” ameaças de ataques visam “vários pontos de referência de Bruxelas (…) durante as férias este ano”, disse o procurador em comunicado. Bruxelas é sede de instituições europeias e da Otan, e desde o final de novembro está no “nível 3 de alerta terrorista”, um grau abaixo do nível máximo, que corresponde a uma “ameaça possível e verossímil”.

França – A França reforçará a segurança durante as celebrações do Ano Novo nas principais cidades do país com um esquema de mais de 60.000 policiais e militares e 21 companhias de agentes civis, em uma mobilização sem precedentes. O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, explicou que “esta não será uma festa de Ano Novo como as outras”, em referência aos atentados em Paris no último dia 13 de novembro. Na capital, 80% dos policiais estarão nas ruas zelando pela segurança dos parisienses, segundo indicou a prefeita da cidade, Anne Hidalgo.

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade