Clique e assine a partir de 8,90/mês

Por ora, CIA não vê evidências terroristas em queda de avião russo no Egito

Por Da Redação - 3 nov 2015, 07h03

O chefe da inteligência americana, James Clapter, afirmou nesta segunda-feira, em Washington, que não há ainda sinais de que houve um ato terrorista na queda do avião russo no Sinai egípcio no sábado. Clapter, diretor-geral da Agência Central de Inteligência americana (CIA), afirmou que é improvável que o grupo Estado Islâmico (EI) conte com os meios necessários para derrubar um avião comercial em pleno voo, destacando, porém, que não podia ainda “excluir” totalmente esta possibilidade.

A companhia aérea informou que o Airbus 321 caiu devido a fatores “externos” e que a desintegração da aeronave no ar não se deveu a “nenhuma falha técnica ou erro de pilotagem”. Tanto o Cairo quanto Moscou descartaram uma reivindicação do braço egípcio do EI assumindo ter derrubado o avião que voava do balneário egípcio de Sharm el Sheikh para a Rússia com 224 pessoas a bordo. A aeronave da companhia Metrojet caiu nas primeiras horas de sábado, 23 minutos após sua decolagem.

Leia também

Queda de avião foi provocada por “ação externa”, diz diretor da empresa aérea

Jato russo teria se partido no ar, diz autoridade local de aviação

Chega à Rússia avião com 144 corpos de turistas mortos em tragédia aérea

Investigadores estão analisando todas as possíveis causas da tragédia, enquanto vasculham a remota península do Sinai onde o avião caiu. Além das autoridades egípcias, participam também da investigação especialistas russos e da empresa Airbus.

Outras autoridades americanas também afirmaram ser impossível por enquanto estabelecer um vínculo com ato terrorista. “Não temos nada por enquanto para corroborar uma conexão com o terrorismo”, declarou Nicholas Rasmussen, diretor do Centro Nacional Antiterrorista americano (NCTC). “Não vimos nenhum informe que apoie” as reivindicações do EI, indicou, por sua vez, o porta-voz do Departamento de Estado, Elizabeth Trudeau.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade