Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Por acordo de fronteira, Inglaterra pagará R$ 200 mi à França

Premiê britânica oferece 44,5 milhões de libras para reforçar e manter acordo de Calais; porto francês é ponto mais próximo entre Europa e Inglaterra

A primeira-ministra britânica, Theresa May, ofereceu à França, nesta quinta-feira, 44,5 milhões de libras (cerca de 198 milhões de reais) para reforçar a segurança nas fronteiras francesas, como parte de medidas visando aprofundar a cooperação entre os dois países, o que ela acredita que irá promover a boa vontade nas negociações do Brexit.

Durante conversas com o presidente francês, Emmanuel Macron, em Sandhurst, academia de treinamento de oficiais do Exército britânico, May buscou demonstrar que o Reino Unido ainda tem muito a oferecer à França e outros membros da União Europeia, à medida que negocia a saída de seu país do bloco.

Entretanto, apesar da cordialidade e dos novos acordos que devem ser assinados na 35ª cúpula anglo-francesa, as negociações, incluindo o empréstimo da Tapeçaria de Bayeux, tesouro francês do século 11, foram extremamente criticadas pela eurocéptica mídia britânica.

“Que troca! Tomar emprestado a Tapeçaria de Bayeux custou mais 45 milhões de libras ao Reino Unido para parar imigrantes em Calais [cidade costeira da França e ponto mais próximo entre o continente europeu e a Grã-Bretanha]?”, perguntou o jornal Daily Mail, enquanto o The Sun comparou a invasão do Reino Unido por Guilherme, o Conquistador, em 1066, com a União Europeia tentando impedir os britânicos de deixarem o bloco.

Depois que Macron pediu ao Reino Unido ajuda na segurança dos portos do Canal da Mancha, que se tornaram rota para imigrantes, Londres disse que mais 44,5 milhões de libras seriam enviadas à França para melhorar barreiras e tecnologias.

Segundo a premiê britânica, a reunião bilateral “destaca que permanecemos comprometidos em defender nosso povo e promover nossos valores como democracias liberais para lidar com qualquer ameaça, sejam domésticas ou no exterior”.

(Com Reuters e Estadão Conteúdo)