Clique e assine a partir de 8,90/mês

Popularidade de Macron diminui na França após explosão do caso Benalla

Ex-chefe de segurança do presidente francês, Alexandre Benalla, foi acusado de agredir manifestantes. -- e queimou com ele todo o Eliseu

Por agência EFE - 29 jul 2018, 12h51

A popularidade do presidente da França, Emmanuel Macron, caiu para o nível mais baixo de seu mandato após a explosão do caso Benalla, em que seu ex-chefe de segurança, Alexandre Benalla, foi acusado de agredir manifestantes. A informação é de pesquisa mensal do Instituto Francês de Opinião Pública (Ifop) para a revista Le Journal du Dimanche. Apresentado neste domingo, o levantamento aponta que apenas 39% dos franceses se disseram “satisfeitos” com o trabalho de Macron.

A pesquisa foi realizada em dois momentos, e no segundo, entre 25 a 27 de julho, a popularidade de Macron caiu ainda mais, para 37%. Todos os setores da população, com exceção dos comerciantes, desaprovam o trabalho de Macron como presidente, embora a queda seja mais acentuada na faixa entre 50 e 64 anos (-5 pontos) e entre os eleitores de direita (-12 pontos).

De acordo com o diretor-geral adjunto do Ifop, Fréderic Dabi, “não se trata de uma queda, mas de um retrocesso. O impacto do caso é real, mesmo que não tenha implicado uma ruptura na opinião pública”.

Para Macron e seu entorno, os desmandos de seu antigo homem de confiança na manifestação de 1º de Maio foram uma “ação individual” que deve ser tratada e corrigida como tal, enquanto a oposição insiste em considerá-lo um “assunto de Estado”, ao ter revelado os supostos esforços do Palácio do Eliseu para abafá-lo.

Na próxima terça-feira, serão debatidas e votadas moções de censura dos partidos da direita e da esquerda na Assembleia Nacional.

Embora nenhuma delas tenha indício de que irá prosperar, graças à cômoda maioria absoluta do partido de Macron na Câmara, obrigarão o Executivo a dar novamente explicações sobre um caso que suscitou o lançamento de uma investigação judicial, outra administrativa no âmbito da polícia e outra parlamentar.

Continua após a publicidade
Publicidade