Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Popularidade de Cristina Kirchner não para de cair

Segundo pesquisa, 60,3% da população argentina desaprova a atual gestão da presidente, o dobro que o registrado em outubro de 2011

A popularidade da presidente argentina, Cristina Kirchner, segue em queda, revela uma pesquisa publicada neste domingo pelo jornal Clarín. A enquete mostra que a avaliação positiva da governante caiu para 24,3%, contra 30% em agosto e 63% em outubro 2011, quando foi reeleita.

Leia também:

“O problema do nosso país é a visão de curto prazo”, diz Roberto Lavagna

Clarín teme expropriação após ameaça de Cristina

Caso Clarín: organismos de imprensa condenam Cristina

Aproximadamente 60,3% da população argentina desaprova a atual gestão de Cristina, o dobro do que foi registrado em outubro de 2011, revelou a enquete realizada pela empresa de consultoria Management & Fit (M&F) entre os dias 21 e 29 deste mês, poucos dias depois de um grande protesto nas ruas. Na ocasião, milhares de pessoas se reuniram para reivindicar mudanças em sua política governamental, além de medidas para frear a elevada inflação e a insegurança.

De acordo com esta mesma pesquisa, 72,2% dos entrevistados assinalaram que estão de acordo com o panelaço “como forma de reivindicação”, embora apenas 50% destes estariam dispostos a participar de um protesto como o do último dia 13 de setembro em Buenos Aires.

A diretora da M&F, Mariel Fornoni, declarou ao jornal Clarín que a pesquisa evidencia “uma situação de empatia” com o panelaço e acrescentou que “as pessoas pedem soluções urgentes em relação à insegurança, corrupção, inflação e, inclusive, pela liberdade”.

No último ano, a economia argentina freou bruscamente seu ritmo de crescimento, e o governo rebaixou a 3,8% a previsão de aumento do PIB para 2012, contra 9,2% do último ano. O governo reconhece uma inflação anualizada de 10%, segundo números oficiais que foram questionadas pelo Fundo Monetário Internacional, mas as consultoras privadas elevam esse número até 24%. Para a realização desta enquete, que possui uma margem de erro de 2,2 pontos percentuais, os organizadores ouviram 2.259 pessoas.

(Com agência EFE)