Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pompeo condena ataque contra ‘um dos pilares da democracia’

O secretário de Estado americano lamentou o duplo atentando que vitimou 36 pessoas no Afeganistão, incluindo dez jornalistas

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, condenou o duplo atentado suicida que deixou 36 mortos, incluindo dez jornalistas, em Cabul, capital do Afeganistão, nesta segunda-feira. Em comunicado publicado pelo Departamento de Estado americano, Pompeo classificou o ataque, reivindicado pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI), como “sem sentido e bárbaro”.

“A imprensa independente é um dos pilares da democracia. Apesar do ataque de hoje, o panorama midiático vibrante que se desenvolveu no Afeganistão perdurará, em grande parte devido aos jornalistas e profissionais que morreram tragicamente, mas cujo trabalho corajoso e firme ajudou a estabelecer as bases para a mídia independente próspera e resiliente”, disse o secretário. “O compromisso da comunidade internacional com o povo afegão e uma paz duradoura no Afeganistão não serão abalados por esses ataques.”

Duas explosões seguidas atingiram Cabul nesta segunda-feira. A primeira mirou a sede do serviço de Inteligência e das forças de segurança afegãs e a segunda, os jornalistas que seguiram para o local para registrar o ocorrido.

Entre os jornalistas mortos está Shah Marai, diretor do departamento de fotografia do escritório da agência AFP em Cabul, que foi para o local da primeira explosão e morreu 30 minutos após o ataque inicial.

Um repórter da rede britânica BBC, Ahmad Shah, também foi morto a tiros em um episódio separado, na província de Khost, próxima à fronteira com o Paquistão.

“Os Estados Unidos, juntamente com nossos parceiros afegãos e internacionais, estão comprometidos a derrotar o Estado Islâmico no Afeganistão”, disse Pompeo no comunicado. “Estamos do lado do povo, da mídia independente e do governo do Afeganistão. Continuamos comprometidos em apoiar os esforços do povo afegão para alcançar a paz, a segurança e a democracia em seu país.”