Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Político indiano defende proibição de biquínis nas praias de Goa

Sudin Dhavalikar também é contra o uso de minissaias em bares

Um político do estado de Goa, na Índia, advertiu as mulheres contra o uso de biquínis em praias ou saias curtas em bares. Para Sudin Dhavalikar, chefe do departamento de Obras Públicas, o uso desse tipo de roupa vai contra a cultura indiana, está ligado à ocorrência de crimes sexuais e, por isso, deveria ser proibido.

“Nós não deveríamos permitir que garotas com biquínis frequentassem lugares públicos porque é muito difícil controlar pessoas que chegam a Goa vindo de diferentes Estados. Quando a vítima chega à polícia é tarde demais. É melhor controlar esse tipo de atividade nas praias”, disse, em declaração reproduzida pelo jornal britânico The Guardian.

Influenciado pela colonização portuguesa, Goa é um destino turístico que tem nas praias seu principal atrativo. No entanto, uma série de crimes, incluindo o estupro e assassinato de uma jovem britânica, em 2008, reduziu as atividades noturnas no local.

Leia também:

Por que acontecem tantos estupros na Índia?

Colega de premiê da Índia diz que “estupro algumas vezes está certo”

Mãe e filha são queimadas vivas por não pagar dote

Para Dhavalikar, mais importante do que incentivar o turismo é proteger a região da ‘cultura ocidental’. À emissora NDTL, ele disse que a cultura de bares não representa a cultura indiana, “e nós não queremos a cultura ocidental”. “Os jovens vão beber e isso geralmente acaba em problemas com a lei e a ordem”, disse. “Goa era um local de templos e igrejas. Não queremos o turismo de pubs”.

Com suas declarações, o chefe de departamento apoia Pramod Muthalik, membro de um grupo radical hindu que pretende combater “pubs, drogas e a cultura do sexo” em Goa. O grupo do qual faz parte realizou um ataque em 2009 contra clientes de um pub na cidade de Mangalore que deixou duas mulheres gravemente feridas.

Dhavalikar é membro do partido Maharashtrawadi Gomantak, aliado do governista partido nacionalista hindu Bharatiya Janata, que preferiu não comentar as declarações. Enquanto isso, o Partido do Congresso, de oposição, enviou uma minissaia a Dhavalikar, em protesto.

Diante da repercussão negativa das declarações do chefe de departamento, o ministro-chefe do Estado de Goa, Manohar Parrikar, descartou uma proibição aos biquínis. No entanto, afirmou que beber em locais públicos não será permitido. “Você não pode beber nas praias. Se você quiser beber, faça isso no restaurante. Você não pode beber na estrada. Quando brigas acontecem nas estradas depois que as pessoas bebem, não podemos fazer nada contra ninguém. Mas, se a briga acontece em um bar, podemos suspender a licença do estabelecimento”, argumentou, segundo a imprensa local.

Medidas ‘moralizantes’ – Em Bangalore, autoridades instalaram câmeras de vigilância em um parque para monitorar e afastar casais de namorados. O prefeito BS Sathyanarayana considera demonstrações públicas de afeto “atividades antissociais”.

No último Dia dos Namorados, uma petição foi apresentada na cidade de Lucknow para que seguranças fossem colocados nos parques para evitar “atividades obscenas”. Felizmente, a solicitação foi negada, mas ainda há reações aleatórias de ‘policiamento moral’. Uma jovem disse ao Guardian que a polícia simplesmente escolhe alguns casais para repreender, mesmo que eles estejam apenas conversando.