Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Político anti-Islã pode pegar até 2 anos de prisão na Holanda

Geert Wilders vai a julgamento sob acusação de discriminação racial e incitação ao ódio após discurso contra marroquinos no país

Por Da redação 31 out 2016, 11h38

O político holandês Geert Wilders vai a julgamento nesta segunda-feira acusado de discriminação racial e incitação ao ódio, com discursos contra a presença de marroquinos na Holanda. Se condenado, Wilders pode até dois anos de prisão, segundo o jornal britânico The Guardian, embora o pagamento de multa e serviços comunitários sejam punições mais comuns para os crimes.

Wilders é líder do Partido Holandês da Liberdade (PVV), de extrema-direita, e constantemente critica o Islamismo, defendendo a proibição do Corão e o fechamento de todas as mesquitas na Holanda.

A acusação que o levou a julgamento refere-se a um discurso realizado em 2014, em um comício do PVV, em que Wilders perguntou aos eleitores se eles gostariam que o país tivesse “menos ou mais marroquinos”. Quando os eleitores gritaram “menos!”, ele respondeu “isso será providenciado”.

Mais de 6.000 pessoas registraram queixa contra o discurso de Wilder e, nove meses depois, ele foi formalmente acusado de discriminação racial e incitação ao ódio.

Continua após a publicidade

Na sexta-feira, Wilders afirmou que não irá comparecer à audiência em Schiphol, pois considera o julgamento uma farsa e “contrário à liberdade de expressão”. “Este é um julgamento político e eu me recuso a participar”, disse, por meio de um comunicado.

Em um artigo publicado em um jornal local, Wilders alegou que fez um discurso para “milhões de holandeses que estão fartos dos transtornos e do terror causado por tantos marroquinos. Se falar sobre isso é crime,  a Holanda não é mais um país livre, é uma ditadura”.

As pesquisas mais recentes no país apontam que o PVV deve se sair bem nas eleições parlamentares, que serão realizadas em março de 2017. O partido de extrema-direita deve obter um número semelhante de cadeiras no Parlamento ao partido liberal VVD, do primeiro-ministro Mark Rutte.

 

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)