Clique e assine a partir de 9,90/mês

Policial que matou jovem negro nos EUA pede demissão

Darren Wilson estava em licença administrativa desde o tiroteio de 9 de agosto

Por Da Redação - 30 nov 2014, 08h45

O policial branco que atirou e matou o jovem negro Michael Brown, na cidade de Ferguson, em Missouri, nos Estados Unidos, deixou a corporação. Darren Wilson, que estava em licença administrativa desde o tiroteio de 9 de agosto, pediu demissão com efeito imediato, de acordo com seu advogado, Neil Bruntrager.

Leia também:

Quando os fatos não têm vez

Polícia de Los Angeles prende 130 pessoas em protesto contra júri

Continua após a publicidade

Manifestantes de Ferguson protestam dentro de lojas durante Black Friday

Mais de 100 manifestantes se reuniram na noite deste sábado perto da sede da polícia. Pelo menos uma pessoa foi presa depois de um breve confronto, e muitos pareciam ser indiferentes à demissão do policial. “Não estávamos atrás do emprego de Wilson”, declarou, mais tarde, o ativista de direitos civis Al Sharpton, por meio de nota.

Brown estava desarmado quando Wilson o matou no meio de uma rua de Ferguson, onde seu corpo foi deixado por várias horas enquanto a polícia investigava o caso. Algumas testemunhas afirmaram que Brown estavam com as mãos para o alto quando Wilson atirou. Ao júri, o policial disse que temeu por sua vida ao ser golpeado por Brown, que tentava pegar sua arma. O júri decidiu não indiciá-lo.

Wilson, que estava no Departamento de Polícia de Ferguson há menos de três anos, disse a um jornal local que decidiu pedir demissão após o departamento informar que tinha recebido ameaças de agressão caso ele permanecesse na equipe. “Eu não estou disposto a deixar que alguém se machuque por minha causa”, disse ele ao jornal.

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade