Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Policial que matou jovem negro diz que está com a consciência tranquila

Em sua primeira entrevista, Darren Wilson afirma que "fez seu trabalho de maneira correta"

Por Da Redação 26 nov 2014, 07h10

Darren Wilson, o policial que matou o jovem negro Michael Brown em Ferguson, nos Estados Unidos, disse em entrevista nesta terça-feira que sente muito pelo ocorrido, mas que está com “a consciência tranquila” e voltaria a agir do mesmo modo já que o fez para salvar sua vida.

“A pergunta que ocupava minha mente era: como vou sobreviver?”, explicou Wilson à emissora ABC em um programa exibido na noite de terça-feira, um dia depois da decisão do grande júri do condado de Saint Louis, no Estado do Missouri, que concluiu que não existem provas suficientes para incriminá-lo pela morte de Brown. Foi a primeira entrevista do policial desde o início do caso.

Wilson, branco e com 28 anos, matou Brown, negro e de 18, com seis disparos no dia 9 de agosto, quando o adolescente estava desarmado. O caso provocou uma onda de protestos na cidade Ferguson. Na segunda-feira, a cidade de cerca de 20.000 habitantes registrou saques e vandalismo após a divulgação do júri.

Leia também:

Por que o policial de Ferguson não foi indiciado​

Garoto de 12 anos com arma de brinquedo é morto pela polícia

Continua após a publicidade

Morte de mais um negro ameaça elevar tensões no Missouri

Autópsia mostra que jovem morto no Missouri levou seis tiros

“Naquele momento me perguntei, posso matar este cara? Legalmente, posso? E respondi a mim mesmo: tenho que fazê-lo, se não, ele me matará se me pegar”, relatou o agente.

Wilson afirma que Brown o agrediu e tentou pegar sua arma, um relato que contradiz a versão de outras testemunhas, entre eles um amigo que acompanhava o jovem.

Segundo essas testemunhas, Wilson disparou várias vezes contra Brown, quando este estava desarmado e com as os braços levantados. A promotoria do Condado de St. Louis, no entanto, disse que esses relatos apresentavam várias contradições.

O entrevistador da ABC perguntou a Wilson se ele achava que o episódio o assombraria. “Acho que não. É algo que aconteceu e ficará no passado. Sei que fiz meu trabalho da maneira correta”, respondeu o policial.

O grande júri do Condado de Saint Louis acabou concluindo que não que não existe “causa provável” para incriminar Wilson pela morte de Brown depois de ouvir a versão de 60 testemunhas e do próprio policial. Apesar da absolvição, vão prosseguir duas investigações do Departamento de Justiça sobre se houve violação dos direitos civis no caso de Brown, e se a polícia local mantém práticas discriminatórias.

Continua após a publicidade
Publicidade