Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Policial que atirou oito vezes em homem negro é demitido

O chefe de polícia de North Charleston disse estar "enojado" com o caso. Prefeitura tem tentado acalmar a população frente aos primeiros protestos

Por Da Redação 8 abr 2015, 18h01

O policial preso por atirar oito vezes nas costas de um homem negro que estava desarmado foi oficialmente demitido nesta quarta-feira. Michael T. Slager, de 33 anos, abriu fogo contra Walter L. Scott, de 50 anos, após ele tentar fugir de uma abordagem policial em North Charleston, no Estado da Carolina do Sul. Um vídeo feito por um transeunte e divulgado pelo jornal The New York Times levou as autoridades a processar Slager, que é branco, por homicídio. Se for condenado, ele poderá receber até a pena de morte.

Os primeiros protestos contra a morte de Scott foram registrados nesta quarta-feira. O prefeito de North Charleston, Keith Summey, afirmou que está fazendo o possível para acalmar a comunidade. Ele visitou a família de Scott para prestar condolências. “Nós fizemos com que eles soubessem como sentimos por sua perda e o quanto isso foi ruim”, declarou o político. O chefe de polícia da cidade, Eddie Driggers, também visitou os parentes da vítima. Driggers disse que ficou “enojado” com o vídeo da morte de Scott, mas se negou a responder questões específicas sobre o incidente. Ele afirmou que a “coisa certa a fazer” é deixar o Estado da Carolina do Sul realizar uma investigação independente e imparcial.

Leia também:

Suspeito de tiroteio contra políciais é detido em Ferguson

​​Obama diz que não há desculpa para ‘atos criminosos’ em Ferguson

Outra decisão anunciada pela Prefeitura foi a implementação de câmeras de vídeo nos uniformes de todos os policiais de North Charleston. Em uma entrevista à rede de televisão NBC, o pai de Scott, Walter, afirmou que a morte de seu filho dificilmente seria investigada se o vídeo não tivesse sido divulgado na internet. “Isso jamais viria à tona. Eles teriam varrido o caso para debaixo do tapete da mesma forma que fizeram outras vezes”.

Continua após a publicidade

Segundo o New York Times, Slager teve negado um acordo na terça-feira à noite e seguirá preso durante o processo. Em uma audiência realizada por videoconferência, o acusado apareceu vestido com um uniforme prisional e deixou transparecer nervosismo. Na primeira versão do policial, Scott teria se apossado de sua arma de choque, o que teria obrigado Slager a abrir fogo. O vídeo do incidente, no entanto, mostra que Scott não segurava a arma de choque quando os disparos foram efetuados. Após o homem ser alvejado, Slager pega um objeto do solo e o coloca ao lado do corpo da vítima. A Suprema Corte dos Estados Unidos somente autoriza o uso de força letal contra um suspeito se há “risco iminente de agressão física ou morte ao policial ou a terceiros”.

Na terça-feira, o irmão de Scott, Anthony, disse que ele provavelmente fugiu da abordagem policial por estar devendo o pagamento de pensão aos filhos. A imprensa local noticiou que ele já havia sido preso cerca de dez vezes, sendo a maioria relacionada aos vencimentos de pensões. Scott era pai de quatro filhos e havia pedido a atual namorada em casamento. Como a mulher está grávida de oito meses de Scott, a Prefeitura decidiu que continuará arcando com o pagamento de seu plano de saúde.

Outros casos – Recentemente, grandes protestos ocorreram nos Estados Unidos após abordagens policiais terem resultado nas mortes de Michael Brown, em Ferguson, e Eric Garner, em Nova York. Ambos eram negros. Após a repercussão dos casos, uma força-tarefa da Casa Branca recomendou mudanças na metodologia empregada pela polícia no país. O presidente americano Barack Obama também enviou o secretário de Justiça, Eric Holder, para cidades ao redor dos Estados Unidos com o intuito de estreitar os laços entre as autoridades americanas e vizinhanças predominantemente ocupadas por minorias.

Confira o vídeo do incidente divulgado pelo​ The New York Times (as imagens são fortes):

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade