Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Policial que atirou 8 vezes nas costas de homem negro é acusado de homicídio

Incidente ocorreu na Carolina do Sul. Vídeo obtido pelo jornal 'The New York Times' mostra o momento em que o oficial abre fogo contra o homem

Por Da Redação 7 abr 2015, 23h28

O policial americano que atirou oito vezes nas costas de um homem negro responderá por homicídio, anunciou nesta terça-feira o prefeito da cidade de North Charleston, na Carolina do Sul, onde o incidente ocorreu. A vítima aparentemente estava desarmada e corria de uma abordagem policial. Segundo o jornal The New York Times, o episódio ocorreu no sábado de manhã. O policial Michael T. Slager, de 33 anos, afirmou que abriu fogo por temer por sua vida. Ele declarou que o homem, identificado como Walter L. Scott, de 50 anos, havia se apossado de sua arma de choque após uma discussão. Slager está preso e, se for considerado culpado, pode receber até a pena de morte.

Na versão do policial, Scott foi parado por causa de um farol quebrado em seu veículo. Ele afirma que só disparou após Scott não ter sido imobilizado pela descarga elétrica aplicada por sua arma de choque. Ao se comunicar com as demais autoridades por meio de um rádio, após o incidente, o policial reforçou que o suspeito havia sido baleado por ter se apossado da arma.

Leia também:

Suspeito de tiroteio contra políciais é detido em Ferguson

​Obama diz que não há desculpa para ‘atos criminosos’ em Ferguson

Continua após a publicidade

Um vídeo filmado por uma pessoa que passava no local e obtido pelo New York Times, no entanto, apresenta uma versão diferente da contada por Slager. Nas imagens, os grampos que desencadeiam a descarga elétrica parecem estar presos a Scott quando ele começa a correr. Um objeto chega a cair entre os dois homens, mas não é possível dizer ao certo se trata-se da arma de choque. Após o oitavo tiro, Scott vai ao chão. O policial, então, volta para o local onde havia ocorrido o primeiro entrevero, pega algo no solo e coloca um objeto próximo ao corpo de Scott.

A Suprema Corte dos Estados Unidos determina que um policial só pode usar força letal contra um suspeito se há “risco iminente de agressão física ou morte”. O advogado da família de Scott, Chris Stewart, disse que o homem era pai de quatro filhos e não tinha “um passado violento ou uma ficha criminal”. Segundo a imprensa local, contudo, Scott havia sido preso aproximadamente dez vezes, sendo que a maioria dizia respeito à falta de pagamento de pensão. Em 1987, ele teria sido preso por conta de uma briga e, em 1991, por possuir um cassetete. O irmão de Scott, Anthony, acredita que ele tenha fugido do policial por estar devendo o pagamento de pensão aos filhos.

O episódio envolvendo Scott ocorre em um momento delicado para a discussão das questões raciais nos Estados Unidos. Recentemente, grandes protestos ocorreram no país após abordagens policiais terem resultado nas mortes de Michael Brown, em Ferguson, e Eric Garner, em Nova York. Ambos eram negros.

Após a repercussão dos casos, uma força-tarefa da Casa Branca recomendou mudanças na metodologia empregada pela polícia no país. O presidente americano Barack Obama também enviou o secretário de Justiça, Eric Holder, para cidades ao redor dos Estados Unidos com o intuito de estreitar os laços entre as autoridades americanas e vizinhanças predominantemente ocupadas por minorias.

Confira o vídeo do incidente divulgado pelo​ The New York Times (as imagens são fortes):

Continua após a publicidade
Publicidade