Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Policiais pedem perdão de joelhos após conflitos na Ucrânia

Homens da tropa de choque em Lviv prometeram sempre estar ao lado do povo

Cerca de 100 policiais da tropa de choque que atuaram nos protestos na Ucrânia pediram perdão de joelhos na cidade de Lviv, no oeste do país, e prometeram que sempre estarão ao lado do povo ucraniano, de acordo com imagens divulgadas nesta terça-feira pela imprensa local.

Leia também:

Rússia questiona legitimidade de governo interino da Ucrânia

Novo governo diz que precisa de 35 bilhões de dólares para evitar falência

Em vídeo viral, jovem ucraniana diz que “povo quer ser livre”

EUA dizem que Rússia cometerá ‘grave erro’ se enviar tropas à Ucrânia

O ato público de desculpas aconteceu na segunda-feira à noite em um comício na praça transformada no epicentro dos protestos em Lviv, bastião dos nacionalistas ucranianos. Os integrantes da tropa de choque, chamada Berkut na Ucrânia, subiram ao palco escoltados por membros dos chamados grupos de autodefesa criados pela oposição radical ao presidente deposto Viktor Yanukovich, enquanto os manifestantes atiravam moedas e pequenos objetos contra eles.

Já em cima do palco, os agentes ficaram de joelhos e um deles prometeu que estarão sempre ao lado do povo da Ucrânia. Ele acrescentou que nenhum dos policiais da tropa de choque de Lviv participou dos conflitos em Kiev na semana passada, que causaram a morte de 82 pessoas e cerca de 700 feridos e terminaram com a queda de Viktor Yanukovich, atualmente foragido.

Segundo o Departamento de Interior da cidade, cerca de 130 efetivos da tropa de choque de Lviv estavam em Kiev no dia 11 de fevereiro, uma semana antes da explosão da violência. Após dias seguidos de embates entre manifestantes e membros das forças de segurança na semana passada, Yanukovich viu sua base política enfraquecer e deixou a capital. Ele foi deposto pelo Parlamento por abandono da Presidência. O presidente do Legislativo foi nomeado presidente interino do país e novas eleições marcadas para maio.

(Com agência EFE)