Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Polícia prende suspeito de planejar ‘iminente’ ataque terrorista em Paris

O estudante de 24 anos estava em contato com jihadistas sírios e planejava atacar igrejas em Villejuif, subúrbio de Paris

Por Da Redação 22 abr 2015, 15h31

A polícia francesa prendeu um homem suspeito de estar planejando um “iminente” ataque armado contra igrejas, informou o Ministro do Interior da França nesta quarta-feira. O homem, um estudante de tecnologia da informação de 24 anos, foi preso no domingo em Paris. A polícia também apreendeu um carro, com armas e coletes à prova de bala, disse o ministro Bernard Cazeneuve.

O estudante foi detido após telefonar para o serviço de emergência por causa de uma ferida na perna, informou uma fonte do Ministério. Após o atendimento, o serviço médico verificou que o ferimento tinha sido causado por um tiro, e a polícia foi notificada. Suspeita-se que o homem tenha atirado em si mesmo acidentalmente.

Após buscas no carro e na residência do suspeito, foram encontradas armas automáticas, coletes a prova de balas, braçadeiras de policiais e mapas de vários postos de polícia na cidade. “Documentos detalhados que também foram achados mostraram que o indivíduo estava planejando um ataque iminente, provavelmente contra uma ou duas igrejas”, disse Cazeneuve. Segundo o jornal The Guardian, o estudante confessou que estava arquitetando o ataque a igrejas em Villejuif, um subúrbio de Paris, no domingo.

Leia mais:

Chefe do Estado Islâmico foi ferido em ataque aéreo

Continua após a publicidade

Estado Islâmico decapita 5 homens acusados de apoiar o regime sírio

Em livro póstumo, editor do ‘Charlie Hebdo’ diz que mídia usa o medo do terrorismo islâmico para vender notícias

Em sua casa também foram encontrados documentos ligados à Al Qaeda e ao grupo Estado Islâmico. Em seu computador, os investigadores também acharam provas de que ele esteve em contato com pessoas na Síria, que “pediam explicitamente que ele atacasse uma igreja em particular”, segundo o procurador responsável pelo caso, François Molins. O ministro francês afirmou que o homem já estava no radar das autoridades francesas desde 2014, quando manifestou seu desejo de viajar à Síria para se juntar aos jihadistas. O estudante se mudou da Argélia em 2009, quando foi autorizado a permanecer na França.

O suspeito também está sendo questionado pela morte de uma mulher de 32 anos, encontrada no banco do passageiro de um carro em Villejuif. Aurélie Châtelain, mãe de uma criança de 5 anos, foi localizada pela polícia na manhã de domingo, com três balas na cabeça. Especialistas afirmaram que rastros de DNA conectam o estudante ao assassinato.

A França intensificou a vigilância em seus serviços de inteligência contra possíveis ataques e enviou tropas para patrulhar lugares estratégicos após os atentados terroristas de janeiro, quando militantes islâmicos mataram dezessete pessoas na redação do semanário Charlie Hebdo e em um supermercado judaico. Para Cazeneuve, a França enfrenta “uma ameaça terrorista inédita, por sua natureza e amplitude”.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade