Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Polícia prende 250 opositores durante protesto em Moscou

Ex-vice-premiê Boris Nemstov é um dos detidos; segurança foi reforçada

A polícia prendeu nesta terça-feira cerca de 250 militantes da oposição no momento em que manifestantes tentavam se reunir em Moscou para denunciar as fraudes do partido de Vladimir Putin nas eleições legislativas. Anteriormente, foi noticiado que o número de detidos era 100. No entanto, a polícia não interveio contra militantes pró-governo, muito mais numerosos, presentes no outro lado da Praça Trioumfalnaya, para onde a oposição convocou a manifestação.

Leia também:

Leia também: Putin vai voltar à Presidência – sem nunca ter saído de fato

Os manifestantes também reivindicaram nesta terça-feira a libertação das centenas de opositores detidos na véspera nas imediações das sedes da Comissão Eleitoral Central e do Serviço Federal de Segurança (FSB, antigo KGB) na Praça Lubianka.

“Os militantes da organização pró-governo Nachi, cercados por policiais, tocavam tambores para abafar os gritos dos opositores”, contou Oleg Orlov, diretor da ONG russa de defesa dos direitos Humanos, Memorial. Um cordão policial empurrava os manifestantes da oposição para fora da praça e atacavam prioritariamente quem gritava, por exemplo, “A Rússia sem Putin” ou “Indignação!”.

Opositores – Um dos líderes da oposição, Boris Nemtsov, estava entre os opositores presos pela polícia. “Nemtsov foi detido por dez agentes”, declarou Olga Chorina, porta-voz de Nemstov, ex-vice-primeiro-ministro do falecido presidente Boris Ieltsin. “Não me lembrava de nada igual. Acabava de sair com minha filha e (o opositor ex-vice-presidente do Parlamento) Vladimir Rijkov do metrô quando me cercaram, me detiveram e me conduziram a um automóvel policial”, afirmou Nemtsov após ser preso.

Oleg Orlov, chefe da organização de direitos humanos Memorial, também foi preso e vários jornalistas, entre os quais o repórter do jornal Kommersant, foram agredidos pela polícia, segundo o jornal online Gazeta.ru. Os detidos foram levados à força a ônibus que deixaram a praça com destino à delegacia.

Além disso, também nesta terça-feira o blogueiro russo Alexei Navalni e o líder opositor russo Ilia Yashin, ambos detidos em um enorme protesto contra Putin na segunda-feira, foram condenados a quinze dias de prisão.

A polícia de Moscou alertou durante o dia que impediria qualquer manifestação não autorizada, depois que as convocações para protestos se espalharem pela internet. As autoridades russas admitiram que enviaram forças suplementares para a capital para assegurar a segurança. Em São Petersburgo, segunda maior cidade do país, cerca de 300 opositores se reuniram na principal avenida, a Nevski Prospekt. Cinquenta deles foram presos.

(Com agência France-Presse)