Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Polícia investigará se menino espanhol sofreu racismo em restaurante de SP

Por Da Redação - 3 jan 2012, 13h02

São Paulo, 3 jan (EFE).- A polícia militar anunciou nesta terça-feira que vai averiguar se o menino espanhol, de apenas 6 anos, foi vítima de racismo em um restaurante da capital paulista, local de onde foi expulso ao ser confundido com um menino de rua .

‘Será aberta uma investigação para verificar se ocorreu uma coação ilegal, mas também tentaremos estabelecer se o caso pode ser enquadrado na lei de discriminação por raça ou cor’, disse à Agência Efe o delegado Marcio de Castro Nilsson, da 36º Delegacia Policial Civil (Perdizes), o responsável pela investigação.

O fato ocorreu na última sexta-feira em uma pizzaria de São Paulo e foi denunciado no mesmo dia pela mãe do menino, uma turista espanhola de 42 anos, identificada apenas como Cristina. Ao lado de sua família, Cristina desembarcou no Brasil em meados de dezembro para passar suas férias de fim de ano.

Segundo o casal espanhol, que na última segunda-feira retornaram para Barcelona, o filho de 6 anos, adotado na Etiópia, foi expulso do restaurante Nonno Paulo, localizado no bairro de Vila Marina, por um empregado que teria se identificado como gerente.

Publicidade

De acordo com a denúncia, a criança negra teria sido confundido com um menino de rua e levado pelo braço até a porta do estabelecimento.

Cristina assegurou que seu filho, que não fala português, estava sozinho na mesa, enquanto ela e o marido se serviam. Como não conseguiu esclarecer a situação ao empregado do restaurante, o menino acabou sendo expulso do local.

Após repararem que a criança não estava mais na mesa, os pais saíram do local e foram encontrar o menino, que, por sua vez, estava chorando, muito assustado e quase uma rua depois da pizzaria.

Os responsáveis do restaurante asseguraram que o garoto foi confundido com um dos meninos de rua que habitualmente entram na pizzaria para pedir esmolas.

Publicidade

No entanto, o restaurante alega que ninguém tocou no menino e que ele mesmo teria se levantado da mesa e saído do estabelecimento ao ser perguntado por seus pais.

‘Até agora não escutei ninguém do restaurante. Mas, quero saber o que ocorreu, como trataram a criança, e quem estava no local nesse momento’, disse Nilsson.

‘Minha tese é que, pela situação relatada, pelo menos uma coação ilegal ocorreu e talvez tenha ocorrido o crime de racismo, já que o menino negro foi expulso do estabelecimento aparentemente por suas características físicas’, acrescentou.

A legislação brasileira prevê penas de até quatro anos de prisão para quem cometer crime de racismo. EFE

Publicidade