Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Polícia indiana usará drones com spray de pimenta em protestos

As autoridades da cidade de Lucknow adquiriram os novos equipamentos para melhor controlar e dispersar manifestações violentas

Por Da Redação 8 abr 2015, 18h59

A polícia de uma cidade indiana adquiriu uma nova arma para dispersar e controlar protestos: drones com sprays de pimenta. Yashasvi Yadav, chefe da polícia de Lucknow, capital do Estado de Uttar Pradesh, no norte do país, afirmou que seus oficiais já testaram o novo equipamento e que o spray é muito efetivo no controle de multidões.

A Índia enfrenta protestos quase diariamente, com diferentes tipos de questionamentos e exigências. A maioria das manifestações é pacífica, porém algumas costumam sair do controle e se tornam bastante violentas. Para as autoridades de Lucknow, a saída encontrada é bastante “inovadora” e as expectativas de que dê certo são grandes. “Os resultados foram brilhantes. Conseguimos descobrir como usá-lo para mirar nas multidões em áreas congestionadas e afetadas pelo vento”, relatou Yadav. “Nós podemos acionar o spray de diferentes alturas para obter os melhores resultados”.

Leia também:

Polícia indiana mata 20 contrabandistas de madeira

‘Game of drones’: a guerra na tela do computador

A força policial da cidade comprou cinco drones, que custaram aproximadamente 600.000 rupias cada (quase 30.000 reais). Os planos são de começar a usá-los no fim desse mês, afirmou o chefe da polícia. Os novos aparelhos são equipados com câmeras de alta resolução e podem carregar 2 quilos de pimenta e voar em uma área de aproximadamente um quilômetro de distância para o operador. A polícia indiana já utiliza drones para vigilância aérea, incluindo durante festivais religiosos.

O novo método, no entanto, é visto com desconfiança por parte da população. Segundo o site do jornal Times of India, alguns leitores consideraram os drones um ótimo investimento, mas outros acreditam que utilizá-los para jogar spray em manifestantes só vai fazer com que eles sejam derrubados pelas pessoas nas ruas. Os críticos também questionam a legalidade da prática.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade