Clique e assine a partir de 9,90/mês

Polícia canadense mata lobo solitário que planejava ataque

As autoridades tinham evidências de o que o jovem Aaron Driver iria realizar um ataque suicida em uma cidade movimentada do Canadá

Por Da redação - 11 ago 2016, 08h40

Um simpatizante do Estado Islâmico (EI), que planejava um atentado suicida no Canadá, morreu nessa quarta-feira durante um confronto com a polícia. De acordo com a imprensa local, o homem foi identificado como Aaron Driver, de 24 anos, e estava sendo monitorado há dois anos pelas autoridades canadenses por seu interesse no jihadismo.

A operação policial que culminou na morte de Driver aconteceu na cidade de Strathroy, cerca de 225 quilômetros ao oeste de Toronto. De acordo com a emissora pública CBC, Aaron detonou um explosivo na residência onde estava quando a polícia chegou e, por isso, acabou baleado. “Um suspeito foi identificado e tomamos medidas adequadas para garantir que não há nenhum perigo para a segurança pública”, explicou a Polícia Montada.

Segundo com a rede CTV, Driver planejava utilizar explosivos para realizar um atentado suicida em uma área pública no Canadá. A polícia realizou a operação na tarde quarta-feira por temer que o jovem colocasse seu plano em prática hora do rush, em algum lugar movimentado.

Leia também:
Garota detida disse estar pronta para cometer atentado na França
Homem ataca policiais belgas com machado e é morto
Brincadeira é confundida com atentado na Espanha e causa pânico

Driver foi identificado pela primeira vez em 2014 pelo serviço secreto canadense, informou a CBC. Na época, ele começou a escrever mensagens de apoio ao grupo extremista no Twitter, sob o pseudônimo de Harun Abduranham. O jovem foi detido em junho de 2015 e depois e colocado sob liberdade condicional, usando uma tornozeleira eletrônica, já que as autoridades temiam que ele pudesse participar de atos terroristas.

Continua após a publicidade

Em fevereiro deste ano, Driver foi liberado da tornozeleira quando fez um acordo com as autoridades para “limitar suas atividades”, já que havia o perigo de que se envolvesse com atos terroristas. Ele era proibido de ter um computador ou telefone celular até o final de agosto e não podia manter perfis em redes sociais.

(Com EFE)

Publicidade