Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Plano de imigração de Obama é discutido na Suprema Corte dos EUA

Por Da Redação 18 abr 2016, 18h08

A Suprema Corte dos Estados Unidos se reuniu nesta segunda-feira para discutir se o presidente Barack Obama excedeu em sua autoridade ao tomar ações unilaterais para poupar milhões de pessoas que estão ilegalmente em seu país de ser deportadas. O caso que testa os limites dos poderes presidenciais de Obama avalia o pedido de 26 Estados liderados pelo Texas para bloquear seu plano de imigração de 2014.

A Corte está dividida, com quatro juízes liberais e quatro conservadores após a morte, em fevereiro, do conservador Antonin Scalia. Muitos argumentos dos juízes foram técnicos, com algumas deliberações sobre a realidade dos imigrantes. A juíza Sonia Sotomayor disse que cerca de 11 milhões de imigrantes no país “vivem nas sombras”. “Eles estão aqui queiramos nós ou não”, afirmou.

O juiz Anthony M. Kennedy questionou se o presidente pode adiar deportações de milhões de pessoas sem a autorização do Congresso, ressaltando “que é uma tarefa legislativa, não é uma tarefa executiva”. “É como se o presidente estivesse definindo a política e o Congresso a estivesse executando”, disse Kennedy.

Leia também:

Trump explica como faria México pagar por muro na fronteira

Continua após a publicidade

‘The Boston Globe’ publica capa simulando como seria Trump na Presidência dos EUA

Os argumentos vêm em um momento em que imigração é uma questão muito discutida na campanha presidencial nos EUA, com os principais candidatos à indicação republicana defendendo a deportação de todos os 11 milhões de imigrantes que estariam ilegalmente no país, segundo estimativas.

Obama tomou a ação após republicanos na Câmara dos Deputados derrubarem legislação bipartidária – classificada como a maior reforma das leis de imigração nos EUA em décadas, que forneceria um caminho para a cidadania de imigrantes ilegais – aprovada pelo Senado em 2013.

O plano de Obama foi desenhado para permitir que cerca de 4 milhões de pessoas – aquelas que vivem ilegalmente nos EUA desde pelo menos 2010, não têm antecedentes criminais e têm filhos que são cidadãos dos EUA ou residentes permanentes legais – entrem em um programa que as proteja da deportação e forneça licença de trabalho.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)