Clique e assine a partir de 9,90/mês

Planalto corrige Temer sobre as senhas para os venezuelanos

Secretaria de Comunicação afirma que o objetivo não é fechar a fronteira, mas dar assistência humanitária aos imigrantes

Por Denise Chrispim Marin - Atualizado em 19 Sep 2018, 13h01 - Publicado em 29 Aug 2018, 18h06

O Palácio do Planalto corrigiu nesta tarde (29) declaração do presidente Michel Temer sobre a distribuição de senhas para os venezuelanos. A medida, segundo a Secretaria de Comunicação Social da Presidência, “visa a aprimorar o atendimento humanitário em Roraima” e não o fechamento da fronteira.

“Uma vez que o presidente determinou que se intensificasse a interiorização, impõe-se melhorar os mecanismos de controle, torná-los ainda mais eficientes no atendimento aos refugiados e, ao mesmo tempo, preservar as estruturas de atenção às famílias brasileiras”, informou a secretaria em uma nota cuidadosamente redigida.

Em entrevista nesta manhã à Rádio Jornal de Pernambuco, Temer havia mencionado a possível adoção de um sistema de senhas para limitar a entrada de venezuelanos no Brasil. Ele argumentou que entre 600 e 700 pessoas ingressam diariamente no Brasil pela fronteira de Roraima.

Com as senhas, detalhou, entrariam apenas entre 100 e 200 imigrantes por dia. De acordo com o presidente, a ideia das senhas é “organizar um pouco mais essas entradas”.

Continua após a publicidade

Temer também afirmou que o governo federal está aumentando o processo de interiorização dos imigrantes, como meio de diminuir a pressão sobre Roraima. O presidente, entretanto, não detalhou como será a implementação das senhas, quando elas começariam a ser usadas e também não explicou melhor como será o processo de interiorização.

Publicidade