Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Pesquisadores descobrem nova variante da Covid-19 na França

Segundo entidade que gere hospitais parisienses, mutação já foi observada em 1,8% das amostras analisadas no país até o momento e já circula ativamente

Por Da Redação Atualizado em 31 mar 2021, 11h39 - Publicado em 31 mar 2021, 11h30

Um grupo de pesquisadores descobriu uma nova variante do coronavírus na França, de acordo com um estudo publicado no periódico americano “Emerging Infectious Diseases” na terça-feira, 30. A mutação é chamada de HMN.19B, ou Henri-Mondor, em referência ao nome de um hospital em Crétil onde a cepa foi identificada após casos confirmados da Covid-19 em três profissionais no início de fevereiro.

Segundo a entidade que gere os hospitais parisienses, Assistance Publique-Hôpitaux de Paris (AP-HP), a nova variante já foi observada em 1,8% das amostras analisadas no país até o momento e já circula ativamente. Ao todo, foram infectados 29 pacientes da região metropolitana de Paris, do sudeste e do sudoeste da França, quatro semanas após a descoberta da mutação.

A variante, de acordo com comunicado da entidade, deriva de uma cepa que surgiu no início da pandemia, a 19B, que perdeu lugar por cepas mais recentes a longo do ano passado. Ela se soma às já conhecidas variantes brasileira (P.1), inglesa (B.1.1.7), californiana (CAL.20C), sul-africana (B.1.351) e nova-iorquina (B.1.2526).

A AP-HP destacou, no entanto, que ainda é preciso mais estudos para saber a capacidade de contágio da variante, se é facilmente detectável em testes, se pode ser associada a quadros clínicos graves e como é a resposta da variante a vacinas e tratamentos.

A publicação do estudo acontece em meio a temores da expansão da pandemia no país, provocando um possível colapso do sistema de saúde. Nesta quarta-feira, 31, o porta-voz do governo francês, Gabriel Attal, afirmou que serão aplicadas medidas mais duras para tentar desafogar hospitais, destacando que não querem chegar a um ponto em que médicos tenham que decidir quais pacientes têm mais chance de sobreviver.

As novas medidas devem ser anunciadas na noite desta quarta-feira em pronunciamento na TV feito pelo presidente Emmanuel Macron.

“Uma coisa é clara: a França não abandonará nenhum enfermo, a seleção de paciente não é uma opção e nunca será”, disse Attal em entrevista coletiva após reunião do Conselho de Ministros e do Conselho de Defesa Sanitária.

Na terça-feira, o país ultrapassou a marca simbólica de 5.000 pacientes em UTIs, acima do pico da segunda onda, em novembro do ano passado. Alguns epidemiologistas alertam que dentro de algumas semanas, sem medidas mais duras, o número pode chegar a 7.000, teto da primeira onda.

Ao todo, a França soma 4,59 milhões de casos de Covid-19, incluindo 95.337 mortes.

Continua após a publicidade
Publicidade