Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Pesquisa: Seis anos pós-Brexit, europeus se dizem traídos pelo Reino Unido

Muitos cidadãos da União Europeia que moram no Reino Unido ainda o chamam de 'lar', mas ao lado de palavras como 'decepção', 'tristeza, 'raiva' e 'nojo'

Por Da Redação 23 jun 2022, 09h35

Um estudo com cidadãos da União Europeia que vivem no Reino Unido revelou que, seis anos após o voto do Brexit, ainda existe uma “ferida aberta” devido à saída do país do bloco. Os entrevistados disseram que se sentem traídos e desconfiados em relação a Reino Unido.

A pesquisa da Universidade de Birmingham em parceria com a Universidade de Lancaster entrevistou cidadãos de 22 países da União Europeia que vivem no Reino Unido há mais de cinco anos e continuaram lá após o Brexit. Os resultados mostraram “um impacto profundo e duradouro na vida e no senso de identidade e pertencimento dos cidadãos da União Europeia no Reino Unido”.

Reconstruir a confiança nas instituições e políticos britânicos é um desafio enquanto “as ramificações do Brexit ainda têm consequências profundas” na vida dos cidadãos da União Europeia, diz a pesquisa.

Entrevistados afirmaram que o Brexit afetou significativamente sua visão sobre o Reino Unido. Enquanto 72% ainda sentiam alguma ligação emocional com o país, 89% disseram que sua opinião mudou desde o referendo de 2016. Muitos ainda definem a nação como “lar”, mas ao lado de palavras como “decepção”, “traição”, “tristeza”, “frustração”, “raiva” e “nojo”.

Um holandês de 40 anos disse: “Eu me mudei para cá sentindo que tínhamos a mesma filosofia; agora sinto que essa ideia comum se foi e me sinto como um imigrante.” Outros afirmaram que o Brexit mudou sua visão de seu país de origem: “Sinto-me mais alemã e mais ligado à Alemanha desde 2016”, disse uma alemã de 45 anos no Reino Unido.

Enquanto isso, uma francesa de 62 anos declarou: “Espero que meu país de origem nunca se torne tão injusto e xenófobo quanto o Reino Unido é agora”.

Continua após a publicidade

O Brexit também aumentou um sentimento pró-União Europeia, com mais de 90% dos entrevistados dizendo que, desde o referendo, eles se sentiam mais ligados ao bloco. Uma francesa de 52 anos que retornou à França disse que “agora estava ciente de quão preciosa é [a União Europeia], mesmo que não seja perfeita”.

+ O programa do governo britânico para contratação de talentos estrangeiros

A pesquisa de 96 perguntas – realizada entre dezembro de 2021 e janeiro de 2022, um ano após o final do período de transição da saída do bloco – descobriu que cerca de 30% dos respondentes de mudaram de país desde o referendo, sendo o Brexit um dos principais motivos (17%) – cobrindo uma infinidade de considerações emocionais, políticas e práticas.

Entre os entrevistados no Reino Unido, no entanto, mesmo que a maioria tivesse cidadania, o status de imigração e residência era uma preocupação constante. Houve também uma preocupação generalizada de que o status estabelecido é apenas digital, sem prova em papel.

+ De cabelo em pé: Johnson fica ainda mais fraco após moção de desconfiança

Uma mulher francesa de 64 anos, no Reino Unido há mais de 40 anos, disse: “Mal posso expressar o quanto estou magoada. Vim para o Reino Unido em 1979 e trabalhei no NHS [National Health Service, espécie de SUS britânico]. Eu me senti traída, ignorada, abandonada. Comecei a sofrer de ansiedade. Decidi solicitar a cidadania britânica, não porque queria ser britânica, mas para poder dormir à noite novamente. Quando recebi meu passaporte britânico, cuspi nele.”

+ Reino Unido faz acordo para enviar imigrantes para Ruanda

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)