Clique e assine a partir de 9,90/mês

Pesquisa revela que 65% dos russos acreditam em vitória de Putin

Por Da Redação - 31 jan 2012, 09h47

Moscou, 31 jan (EFE).- Para 65% dos russos, o primeiro-ministro, Vladimir Putin, ganhará as eleições presidenciais de 4 de março no primeiro turno, conforme pesquisa divulgada nesta terça-feira pelo Centro de Estudos da Opinião Pública (VTSIOM).

Tanto a maior parte dos partidários de Putin quanto a oposição e até aqueles que não têm intenção de votar acreditam na vitória do candidato governista, informaram as agências russas.

Para vencer, Putin precisa metade mais um dos votos emitidos, do contrário, os dois candidatos mais votados participarão de um segundo turno duas semanas depois.

Pelas pesquisas recentes, muitos russos consideraram que seu voto não decidirá o vencedor das presidenciais e previram que nas eleições de março haverá tantas falsificações quanto nas parlamentares de 4 de dezembro.

Continua após a publicidade

Atualmente, Putin conta com cerca de 50% das intenções de voto, enquanto o líder comunista, Gennady Zyuganov, tem algo em torno de 10%.

A interrupção dos protestos contra o Governo pelas festas do Ano Novo russo favoreceu Putin, que recuperou quase dez pontos nas últimas semanas, de acordo com algumas pesquisas.

Em dezembro, quando milhares de russos saíram para protestar contra a fraude do governo nas legislativas em muitas cidades do país, pouco mais de 40% estavam dispostos a votar no líder russo.

A Comissão Eleitoral Central revelou nesta terça o formato da cédula para a votação presidencial, na qual os nomes dos candidatos estarão em ordem alfabética, por isso Vladimir Putin aparecerá em quinto e último lugar.

Continua após a publicidade

No sábado, Moscou será palco do terceiro protesto contra Putin, no qual a oposição não parlamentar espera reunir mais de 50 mil pessoas, apesar de as temperaturas na capital chegarem a quase 20 graus abaixo de zero.

Dois candidatos presidenciais, o social-democrata Sergei Mironov e o multimilionário Mikhail Prokhorov, já confirmaram presença na manifestação. EFE

Publicidade