Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pesquisa mostra Trump a um passo de alcançar Hillary na corrida eleitoral

Candidato republicano está a apenas 3 pontos porcentuais de alcançar Clinton, caso disputem as eleições presidenciais de novembro

Em pesquisa divulgada nesta segunda-feira, os dois prováveis adversários nas eleições presidenciais dos Estados Unidos estão com uma diferença de apenas 3 pontos porcentuais, o que significa empate técnico. Com isso, muda o cenário de ampla liderança que a pré-candidata democrata Hillary Clinton tinha sobre o republicano Donald Trump, a qual chegava a 11 pontos porcentuais em abril deste ano.

De acordo com a pesquisa, divulgada pelo jornal The Wall Street Journal e pela rede de televisão NBC, Clinton está com 46% de apoio, contra 43% de Trump. O avanço dos republicanos ocorreu depois que os concorrentes Ted Cruz e John Kasich desistiram de disputar com o bilionário pela indicação oficial do partido, em convenção prevista para julho.

A ex-secretária de Estado no entanto, continua confiante. Em entrevista ao programa Meet the Press, na rede NBC, ela disse que a vitória se dará pela união partidária. “Vamos ficar mais fortes juntos para enfrentar nossos desafios internos e externos”, afirmou. A conciliação do partido, porém, depende da desistência do outro candidato democrata, o senador Bernie Sanders, que até agora não deu demonstrações de que deseja sair da campanha.

Leia também:

Hillary dá por encerrada disputa democrata: vitória de Sanders ‘é impossível’

Trump se diz disposto a encontrar ditador norte-coreano

Sanders vence no Oregon e Hillary tem vitória apertada no Kentucky

A pesquisa do The Wall Street Journal mostra inclusive que, se a disputa presidencial fosse contra Sanders, o candidato republicano estaria perdendo com uma diferença bem maior: 15 pontos porcentuais. Nesse confronto hipotético, o democrata teria 54% na preferência, contra 39% de Trump. Em vez de desistir da corrida, o senador Sanders vem aumentando as críticas à candidatura da ex-primeira-dama. Segundo ele, Hillary não pode ser a única referência na convenção que vai escolher o candidato do Partido Democrata, pois configuraria uma “situação antidemocrática”.

Em entrevista à rede CNN, Sanders considerou “inaceitável” o comportamento dos superdelegados do partido que vêm apoiando Clinton, antes mesmo que a situação dentro do partido esteja definida. Superdelegados são cargos orgânicos ou eleitos que escolhem o candidato à margem dos eleitores. Desses, 525 já declararam apoio a Clinton e apenas 39 a Sanders – todos, contudo, podem mudar de voto a qualquer momento.

(Com Agência Brasil)