Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Peru pedirá extradição de Fujimori por 315 mil esterilizações forçadas

Cerca de 315 mil mulheres peruanas pobres foram submetidas a cirurgias de laqueadura de trompas como parte de programa do governo entre 1996 e 2000

Por Da Redação Atualizado em 13 dez 2021, 18h15 - Publicado em 13 dez 2021, 18h09

O Peru solicitará ao Chile que prorrogue a extradição do ex-presidente peruano preso Alberto Fujimori, para que seja processado pelas milhares de esterilizações forçadas de mulheres realizadas entre 1996 e 2000.

Estima-se que cerca de 315 mil mulheres peruanas pobres, muitas indígenas e que não falavam espanhol, foram submetidas a cirurgias de laqueadura de trompas como parte do Programa Nacional de Saúde Reprodutiva e Planejamento Familiar, implantado durante o governo Fujimori.

No sábado, 11, o juiz Rafael Martínez decidiu processar o ex-presidente e vários ex-ministros.

Posteriormente, o judiciário peruano informou que, a pedido da defesa do ex-presidente, estava suspendendo a ação penal por não se enquadrar no acordo de extradição entre Santiago e Lima, pelo qual Fujimori voltou ao Peru em 2007.

A promotora do caso, Carmen Rosa Crisóstomo, indicou que o Ministério Público “apresentará oportunamente a prorrogação do pedido de extradição” ao Chile.

Martínez já havia afirmado que Fujimori, condenado a 25 anos de prisão, não poderia ser processado pelas esterilizações forçadas por enquanto. Isso porque essa causa não constava do pedido de extradição do Chile, concedido por crimes de direitos humanos e corrupção.

Continua após a publicidade

O processo penal de esterilizações conta com 1.317 autores e teve início em 2002, sendo arquivado e reaberto várias vezes.

Os procedimentos eram realizados como um programa do governo que buscava reduzir a taxa de natalidade para impulsionar o desenvolvimento econômico.

Nessas cirurgias morreram 18 mulheres, segundo dados oficiais. Apenas 10% das mulheres esterilizadas naquele período deram seu consentimento.

Os ex-ministros Eduardo Yong, Marino Costa e Alejandro Aguinaga, e Ulises Jorge Aguilar, também estão sendo processados como supostos autores por domínio do aparelho organizado de poder.

O atual Ministro da Saúde, Hernando Cevallos, e outros médicos denunciaram a promotoria em 1997, pois eram obrigados a operar até 60 mulheres por dia em campanhas de esterilização.

O atual presidente do Peru, Pedro Castillo, prometeu justiça às mulheres esterilizadas dias antes de vencer as eleições, em junho.

Castillo lembrou que sua própria família de camponeses também sofreu esterilizações e comentou que “a dor das vítimas das esterilizações forçadas é minha”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês