Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Peru confirma novo gabinete mais moderado após renúncia de premiê

Primeiro-ministro era da ala mais à esquerda e vinha pressionando o governo por mudanças mais abrangentes

Por Da Redação 5 nov 2021, 13h31

O Peru confirmou um novo gabinete de esquerda mais moderada após o fracasso envolvendo o líder do partido comunista, Guido Bellido. Em outubro, após uma série de divergências, o ex-primeiro-ministro renunciou a pedido do presidente Pedro Castillo. Segundo as leis peruanas, quando um premiê cai, o restante dos ministros do gabinete também devem ser substituídos. 

A nova formação foi aprovada na quinta-feira 4 e será chefiada por Mirtha Vasquez, a política moderada de esquerda e ex-chefe do Congresso. Ela não faz parte do partido do presidente, o Peru Livre.

A votação terminou em 68 votos a favor e 56 contra em um Congresso controlado pela oposição. O novo gabinete, considerado pela grande maioria como mais moderado em relação a seu antecessor, desagradou alguns dos aliados de Castillo mais alinhados à esquerda. Vários membros de seu partido votaram contra a nova formação, inclusive Bellido. 

O presidente se distanciou de seu partido recentemente após integrantes o acusarem de adotar políticas conservadoras e anunciaram que bloqueariam a remodelação do governo. No início do dia, Castillo prestou juramento ao novo ministro do Interior, Avelino Guillén, conhecido por ter sido o promotor no julgamento do ex-presidente Alberto Fujimori por violações dos direitos humanos. 

Guillén substituiu nesta semana Luis Barranzuela, leal ao Peru Livre, que renunciou após a mídia relatar que ele organizou uma festa de Halloween em meio à pandemia. Barranzuela negou e disse se tratar de uma reunião de trabalho. 

O ex-ministro do Interior é mais um em uma longa lista de aliados do atual governo que ruíram em meio à instabilidade política e às ameaças feitas por ele de nacionalizar o setor de gás natural do país. 

Bellido ainda recebeu uma série de críticas antes mesmo de sua nomeação por supostamente simpatizar com o grupo rebelde Sendero Luminoso, acusado de matar milhares de peruanos nas décadas de 1980 e 1990 em uma tentativa de tomar o poder.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês