Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Perícia indica que não havia pólvora na mão de Nisman

Responsável pela investigação da morte afirma que ausência de traços de pólvora pode ser consequência do fato de a arma usada ser de baixo calibre

Por Da Redação - 20 jan 2015, 12h47

O teste para determinar se havia traços de pólvora nas mãos do procurador-geral argentino Alberto Nisman “deu negativo”, informou nesta terça-feira Viviana Fein, a promotora que investiga a morte, após o corpo dele ter sido encontrado com um disparo na cabeça em seu apartamento em Porto Madero, uma área nobre de Buenos Aires.

“Por ser uma arma de calibre pequeno, 22 e não uma arma de guerra, normalmente isso provoca que a varredura eletrônica não indique resultados positivos”, argumentou Fein à rádio Mitre após explicar que as perícias deram negativo. “Isso não descarta que ele mesmo a tenha disparado”, acrescentou a promotora, que pediu que seja esperado o resultado de todos os exames solicitados, entre eles o de DNA do sangue achado na arma.

Leia também

Bilhete de Nisman para sua diarista aumenta dúvidas sobre o caso

Publicidade

Promotora investiga hipótese de ‘indução ao suicídio’ no caso Nisman

Em carta, Cristina fala sobre ‘suicídio’ de promotor e tenta desqualificar investigação

Há motivos, no entanto, para manter o ceticismo diante da hipótese de suicídio. O promotor havia sido alvo de ameaças – em uma ocasião, um recado foi deixado em sua secretária eletrônica advertindo que ele seria caçado e levado a uma prisão iraniana. Além disso, a denúncia contra Cristina apresentada na quarta-feira e a audiência marcada para esta semana no Congresso com o objetivo de apresentar mais detalhes representava o coroamento de um trabalho de investigação iniciado há mais de dez anos.

O promotor Alberto Nisman foi encontrado morto na madrugada de segunda-feira em seu apartamento em Puerto Madero, Buenos Aires. Na última semana, ele havia apresentado uma longa denúncia envolvendo a presidente Cristina Kirchner e vários apoiadores, segundo a qual o governo agiu para acobertar iranianos envolvidos no atentado contra a sede do centro judaico Amia, em julho de 1994, que deixou 85 mortos.

Publicidade

Leia mais:

Cristina Kirchner é acusada de encobrir envolvimento do Irã em atentado

Promotor argentino acusa Irã de infiltração terrorista na América do Sul

Com manobra na Câmara, Argentina aprova pacto com Irã

Publicidade

A morte do procurador-geral provocou forte comoção na sociedade argentina. Ontem, milhares de pessoas manifestaram-se pelas redes sociais, sob a frase #YoSoyNisman, e foram às ruas das principais cidades do país para pedir justiça.

(Com agência EFE)

Publicidade