Clique e assine a partir de 9,90/mês

Pequim põe em quarentena turistas de países afetados com coronavírus

Decisão se deve ao fato de a propagação da doença no mundo já ultrapassar o número de novos casos registrados na China

Por Da Redação - Atualizado em 26 fev 2020, 12h10 - Publicado em 26 fev 2020, 11h53

O governo da cidade de Pequim, capital da China, anunciou nesta quarta-feira, 26, que irá submeter a 14 dias de quarentena turistas vindos de países afetados pelo coronavírus. A medida se deve ao fato de a propagação pelo mundo ter ultrapassado o registro de novos casos dentro de território chinês, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Com 411 novos casos na China e 427 ao redor do mundo, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, expressou a preocupação com o curso que a epidemia está tomando e o risco dela se tornar uma pandemia – quando o surto provoca mortes em três continentes. Já Bruce Aylward, especialista da OMS que dirige a missão conjunta da Organização com a China, declarou que o mundo “não está preparado” para enfrentar a doença.

Conhecida como Covid-19, o novo coronavírus começou a se propagar em dezembro de 2019 na cidade de Wuhan, de 11 milhões de habitantes. Desde então, o vírus matou 2.715 pessoas e contaminou mais de 78.000 pessoas somente na China Continental. No mundo, os números foram de 59 mortes e 3.206 infectados em 40 países.

Os países mais afetados pelo Covid-19 foram o Irã com 16 mortos, e a Itália com 11.

Continua após a publicidade

No Brasil, foi registrado na terça-feira 26 o primeiro caso da doença. Um homem de 61 anos viajou à Lombardia, a região mais afetada pelo coronavírus na Itália, entre os dias 9 e 21 de fevereiro, coincidindo com o aumento do número de casos no país. Ele regressou a São Paulo no último fim de semana.

Ao dar entrada no Hospital Albert Einstein na segunda-feira 24 com os sintomas da doença, a equipe médica realizou um exame específico para SARS-CoV2, preconizado pela OMS. Para seguir o protocolo internacional, porém, foi necessária uma contraprova feita pelo Instituto Adolfo Lutz, cujo resultado também deu positivo.

(Com AFP)

Publicidade