Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Pequim: envio de destróier dos EUA ao mar da China é ‘provocação’

Operação de navio de guerra americano em arredores de área contestada pelo governo chinês foi classificada como "ameaça à soberania"

Por Da redação Atualizado em 11 out 2017, 15h04 - Publicado em 11 out 2017, 14h15

Um navio de guerra da Marinha dos Estados Unidos navegou nesta terça-feira perto de ilhas do Mar do Sul da China reivindicadas por Pequim, disseram três autoridades americanas à agência de notícias Reuters. A ação provocou protestos em Pequim, em um momento em que Donald Trump corteja a ajuda chinesa para conter os programas nuclear e de mísseis da Coreia do Norte. O presidente americano fará sua primeira visita à Ásia em novembro, com a China inclusa no roteiro.

Oficiais americanos, que falaram sob condição de anonimato, disseram que o Chafee, um destróier de mísseis teleguiados, realizou operações de manobra normais que desafiaram “reivindicações marítimas excessivas” perto das Ilhas Paracelso, situadas entre uma série de ilhotas, recifes e bancos da areia disputados pela China com seus vizinhos. A operação foi a tentativa mais recente de contraposição ao que Washington vê como esforços de Pequim para limitar a liberdade de navegação em águas consideradas estratégicas.

O Ministério da Defesa chinês disse nesta quarta-feira que um navio de guerra, dois caças e um helicóptero foram enviados para afastar a embarcação dos Estados Unidos, acrescentando que o país violou a soberania e a segurança da China com sua “provocação”. “Exigimos que o lado norte-americano adote seriamente medidas para corrigir seus erros”, declarou o gabinete,  que promete fortalecer ainda mais suas defesas naval e aérea.

Em comunicado a jornalistas em Pequim, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hua Chunying, informou que seu país apresentou “queixas severas” aos Estados Unidos e reiterou que as Ilhas Paracelso são território chinês. “A China continuará a adotar medidas resolutas para proteger a soberania territorial e os interesses marítimos chineses”, anunciou.

Península coreana

Na noite de terça-feira, dois aviões da Força Aérea americana sobrevoaram a Península Coreana no que, segundo as Forças Armadas da Coreia do Sul, foi parte de um exercício para impulsionar a defesa militar e também uma forma de demonstrar a aliança entre Estados Unidos e Coreia do Sul. A ação acontece em meio às tensões provocadas pela escalada retórica entre Washington e Coreia do Norte, cujo regime busca expandir seu programa balístico e nuclear.

Dois bombardeiros decolaram da base americana na ilha de Guam e entraram no espaço aéreo sul-coreano, onde realizaram exercícios nas águas da costa leste do país. As aeronave depois voaram para águas entre a Coreia do Sul e a China para repetir o exercício, disseram os militares da Coreia do Sul.

(Com Reuters) 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês