Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pentágono alerta sobre preparação da China para ‘provável’ ataque aos EUA

Relatório enviado ao Congresso informa sobre possíveis bombardeios a bases americanas no Pacífico Ocidental por Pequim

As forças militares da China ampliaram suas operações de bombardeio em longa distância e o treinamento de seus pilotos nos últimos anos para “provável” ataque aos Estados Unidos e seus aliados, informou ontem (16) o Pentágono em relatório anual encaminhado ao Congresso americano.

A avaliação militar surge em um momento de tensões crescentes entre os Estados Unidos e a China na arena comercial. No relatório, o Pentágono ressalta os esforços chineses para aumentar sua influência global e a expansão de seus gastos com defesa.

O orçamento militar chinês superou 190 bilhões de dólares em 2017. O americano, porém, continuou mais expressivo – 700 bilhões de dólares no período. Apesar da projeção de retração no crescimento econômico na China, o orçamento de defesa deverá superar 240 bilhões de dólares em 2018.

O Exército Popular de Libertação desenvolve a “capacidade para atacar as forças americanas e aliadas e as bases militares do Oceano Pacífico ocidental, incluindo Guam”, destaca o relatório. O documento menciona ainda a tendência de Pequim estabelecer novas bases militares em países como o Paquistão e assinala os seus preparativos para uma “contingência” no Estreito de Taiwan, que pode se desdobrar em reunificação forçada da ilha.

“Ao longo dos últimos três anos o EPL expandiu rapidamente suas áreas de operações de bombardeiros sobre as águas, ganhando experiência em regiões marítimas críticas e provavelmente treinando para ataques contra alvos dos EUA e aliados.”

No ano passado, o presidente da China, Xi Jinping, ordenou ao Exército Popular intensificar os seus esforços para desenvolver uma força capaz de “lutar e ganhar” guerras. “O propósito destas reformas é criar uma força terrestre mais móvel, modular e letal capaz de ser o núcleo das operações conjuntas e de cumprir a orientação de Xi Jinping de ‘lutar e ganhar'”, assinala o relatório.

Com quase um milhão de homens, o Exército Popular é a maior força terrestre permanente do planeta. Neste ano, a Força Aérea chinesa pousou bombardeiros em ilhas e recifes do Mar do Sul da China, como parte de um exercício de treinamento na região disputada.

Em janeiro o Pentágono fez da contraposição a Pequim, além da Rússia, um dos pilares de sua estratégia de defesa.

Embora Washington e Pequim mantenham um canal de entendimento  entre seus militares para conter as tensões, essa válvula de escape foi posta à prova nos últimos meses. Em maio, o Pentágono cancelou um convite enviado à China para participar de um exercício naval multinacional.

No mês seguinte,  o secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, tornou-se o primeiro chefe do Pentágono a visitar a China desde 2014.

(Com AFP e Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Democrata Cristão (Liberdade de Expressão é meu direito CF 88 art 5 e art 220)

    Maldito Henry Kissinger! Tomara que Donald Trump estabeleça alianças aqui na América Latina.

    Curtir

  2. Ataíde Jorge de Oliveira

    Ï
    😮
    Da QUAdrATuRAH*TriANgu££AR
    ,PORquANT@ ainda não invenTaram Po££íG@N@ ¢/mena$$;NÉ:NãO 😮
    !

    Curtir

  3. Francisco Antonio Lobo

    A China, hoje, é uma ameaça gravíssima ao mundo inteiro porque tem ambições de dominá-lo. Poucos estão enxergando isso, um deles é o Gal. Mattis, secretário de defesa dos E.U. que já deu o alerta. Aos poucos estão se apossando das maiores empresas do mundo e comprando terras, principalmente na África e América do Sul mas também na Ásia. Se não acordarmos, logo logo o mundo inteiro estará falando uma única língua: o mandarim..

    Curtir