Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Peña Nieto pede reconciliação nacional, após sua virtual vitória

México, 2 jul (EFE).- O candidato Enrique Peña Nieto – virtual vencedor das eleições presidenciais no México e candidato do Partido Revolucionário Institucional (PRI) – afirmou que buscará a reconciliação e a união nacional e prometeu uma Presidência ‘moderna e responsável’.

Segundo ele, assegurou que vai continuar lutando contra o crime organizado, embora com uma nova estratégia para reduzir a violência e proteger a vida dos mexicanos.

A unidade dos mexicanos ‘é indispensável; é momento de propiciar e encorajar a reconciliação nacional’ e de ‘deixar de lado nossas diferenças e privilegiar nossas coincidências’, acrescentou.

O candidato disse que assumia com ‘emoção’ e ‘plena responsabilidade’ o mandato outorgado pelos mexicanos este domingo e assegurou que governará para todos.

Após agradecer aos milhões de mexicanos que votaram no pleito, assim como a seus adversários políticos, prometeu uma ‘Presidência moderna, responsável, aberta à crítica e disposta a escutar e a levar todos em conta’.

Disse que se trata de segunda oportunidade para seu partido, que deteve o poder de 1929 até o ano 2000, e prometeu honrá-la com resultados e uma nova forma de governar.

‘O país demanda trabalho, colaboração e, sobretudo e mais importante, resultados’, disse este advogado de 45 anos em seu discurso, no qual prometeu trabalhar nos meses de transição nas reformas estruturais que o país requer.

Peña Nieto assinalou que liderará um Governo ‘eficaz, honesto, transparente e que presta contas’ a partir do próximo dia 1º de dezembro, quando assuma a Presidência mexicana das mãos do conservador Felipe Calderón.

Acompanhado por sua esposa, a atriz Angélica Rivera, Peña Nieto disse que se esforçará para dar resposta às demandas legítimas da população, mas pediu unidade aos mexicanos para superar juntos os desafios que enfrenta o país.

Peña Nieto também dedicou umas palavras a Calderón, que já o felicitou por sua vitória nas urnas e ao qual reconheceu ‘sua vocação democrática, sua conduta e respeito pelo processo eleitoral’, assim como sua determinação de enfrentar decisões difíceis em seu Governo.

Além disso, o candidato disse que impulsionará uma ‘renovada economia de livre mercado com sentido social que gere empregos e distribua a riqueza’. EFE