Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Pena de morte cessaria diálogo turco com a UE, alerta Alemanha

O governo alemão ameaçou interromper as negociações após comentários de Erdogan sobre a volta da medida, em resposta à tentativa de golpe militar

Por Da redação
Atualizado em 4 jun 2024, 22h25 - Publicado em 18 jul 2016, 10h23

Uma eventual reintrodução da pena de morte na Turquia, possibilidade considerada pelo governo de Ancara, iria levar ao fim das negociações para a entrada do país na União Europeia, afirmou nesta segunda-feira o porta-voz da chanceler alemã, Angela Merkel.

“Um país que tenha pena de morte não pode ser membro da UE”, disse o representante alemão Steffen Seibert, durante coletiva em Berlim. “A implementação de pena de morte na Turquia significaria, desta forma, o fim das conversas sobre a filiação ao bloco”, acrescentou. O governo turco aboliu a medida em 2004 para cumprir requisitos de acesso à UE e não realiza nenhuma execução desde 1984.

A ameaça alemã de acabar com o diálogo veio em resposta ao comentário do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan de que “não deveria haver atraso no uso da pena de morte”, depois da tentativa frustrada de um golpe militar contra ele na sexta-feira. No domingo, Erdogan falou para uma multidão de apoiadores que defendiam a volta da medida, em frente à sua casa em Istambul. “Não podemos ignorar esse pedido”, declarou.

Leia também:
Erdogan defende pena de morte após tentativa de golpe
Governo turco prende mais de 100 generais após golpe frustrado
Erdogan pede extradição de clérigo radicado nos EUA

Continua após a publicidade

Na coletiva, o porta-voz de Merkel também criticou a resposta do governo turco ao golpe lançado por militares opositores. De acordo com Seibert, houve “cenas revoltantes de vingança” contra soldados nas ruas da Turquia e a abrupta demissão de milhares de juízes no fim de semana “levanta graves questões e preocupações”.

Apesar das críticas, Seibert disse que os eventos dos últimos dias “não afetarão o acordo do país com a UE” para limitar o fluxo de refugiados para a Europa, acerto do qual Merkel depende para reduzir o número de pessoas que pedem asilo na Alemanha. “A negociação sobre refugiados será, por enquanto, vista de forma separada dos eventos do fim de semana”, comentou o porta-voz da chanceler.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.