Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pelo menos 300 imigrantes morreram no Canal da Sicília

Três balsas lotadas de imigrantes ilegais que partiram da Líbia para a Itália enfrentaram uma violenta tempestade no Mar Mediterrâneo, informa a ONU

(Atualizado às 13h44)

Pelo menos 300 pessoas morreram enquanto atravessavam o Canal da Sicília, afirmou nesta quarta-feira uma porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), que se baseou em depoimentos de imigrantes resgatados e infomações da Guarda Costeira italiana. Os nove refugiados resgatados, provavelmente do Mali e do Senegal (eles estavam sem documentos), contaram hoje, ao chegarem em Lampedusa, que a violenta tempestade ocorrida no Canal da Sicília na segunda-feira provocou a morte de seus companheiros de viagem, explicou a porta-voz da Acnur na Itália, Carlotta Sami.

Segundo a imprensa italiana, na segunda-feira foram encontradas duas balsas vazias, uma com apenas duas pessoas e outra com sete. As duas barcas, nas quais viajavam 105 e 107 pessoas a bordo, respectivamente, saíram do litoral da Líbia no sábado ao lado de outra balsa, que foi encontrada na segunda-feira. A terceira embarcação partiu com 105 pessoas a bordo, das quais 29 morreram de frio.

Leia também

Guarda Costeira italiana assume controle de navio abandonado com 450 imigrantes

Barco com centenas de imigrantes chega em porto italiano

Mais de 3.000 imigrantes morreram no Mediterrâneo em 2014

As três balsas naufragaram, segundo os testemunhos, na tarde de segunda-feira devido às fortes ondas. Após os relatos, a Guarda Costeira italiana está patrulhando a área próxima ao limite das águas líbias em busca dos corpos dos imigrantes. Os corpos com os 29 imigrantes mortos por hipotermia enquanto se dirigiam a Lampedusa serão levados hoje a Porto Empedocle para serem enterrados, enquanto os sobreviventes, entre eles uma criança de 12 anos que viajava sozinho, encontram-se em Lampedusa, onde permanecerão horas para poder se recuperar.

Após a tragédia, a prefeita de Lampedusa, Giusi Nicolini, afirmou que a operação europeia de controle de fronteiras “não serve para nada” e pediu para que fosse substituída por outra política mais efetiva. Em 1º de novembro, a operação Mare Nostrum foi substituído pela Triton, que conta com menos embarcações e não pode se aproximar da costa da Líbia.

(Com agências France-Presse e EFE)