Pela primeira vez, mulher presidirá o Parlamento português

Depois de rejeitar Fernando Nobre, deputados elegem Assunção Esteves

Por Da Redação - 21 jun 2011, 17h50

A social-democrata Assunção Esteves, de 54 anos, se tornará a primeira mulher a presidir o Parlamento de Portugal. Esteves, ex-juíza da Corte Constitucional e deputada por Lisboa, obteve o voto de 186 parlamentares, de um total de 230. Ela sucederá ao socialista Jaime Gama, que tinha sido reeleito em outubro de 2009, com 204 votos.

Em Portugal, o presidente do Parlamento pertence tradicionalmente ao partido vencedor das eleições legislativas, neste caso o Partido Social Democrata (PSD), de centro-direita. É ele – ou, no caso, ela – quem substitui o presidente, se o poder ficar vago.

A votação – O PSD havia proposto, originalmente, o nome de Fernando Nobre para o cargo. Mas, o candidato não obteve os votos suficientes em duas eleições consecutivas, o que beneficiou Assunção. Ela foi, então, apresentada pela legenda como uma candidata alternativa.

Ao contrário do que ocorreu na segunda-feira, quando o Parlamento rejeitou a liderança de Nobre, Assunção recebeu os votos favoráveis do partido CDS-PP, parceiro governamental do PSD. A sigla não havia chegado a um consenso sobre a candidatura de Nobre.

Publicidade

Histórico – O PSD venceu as eleições legislativas antecipadas de 5 de junho em Portugal com 38,65% dos votos. Com isso, a legenda conquistou 108 das 230 cadeiras do Parlamento, contra 74 do Partido Socialista. O premiê apontado, como de costume, foi o líder do partido vencedor, Pedro Passos Coelho.

(Com agências EFE e France-Presse)

Publicidade