Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pela primeira vez, cineasta derrota a censura nos tribunais na China

O diretor de cinema chinês Fan Popo conseguiu a primeira decisão de um tribunal na China contra a censura. Quem revelou a façanha foi o próprio cineasta, em entrevista coletiva nesta quarta-feira. Popo disse que está muito satisfeito e luta para que um de seus filmes possa ser exibido no país. A Administração Estatal de Imprensa, Rádio, Cinema e Televisão, responsável pela censura na China, foi condenada pelo Tribunal Popular de Pequim por não ter dado a explicação adequada ao cineasta sobre porque um filme seu tinha sido retirado dos principais serviços de compartilhamento de vídeos na internet.

Embora a condenação seja pequena – a administração deve unicamente pagar 50 iuanes, cerca de 28 reais, e não obrigue a exibição do filme, tem um grande valor simbólico por ser a primeira vez que um tribunal chinês admite uma denúncia contra um ato de censura e ainda por cima dando ganho de causa ao artista censurado.

Leia também

Ativista, Miss Mundo Canadá diz ter sido barrada na China

Tortura na China está disseminada por todo país, denunciam ONGs

“Agora vou negociar com os sites que foram obrigados a retirar o filme para ver se posso voltar a publicar o vídeo”, disse Popo. O jovem cineasta, de 30 anos, levou o caso aos tribunais em setembro após sete meses sem conseguir autorizar a exibição pela via administrativa. O filme censurado, chamado “Mamãe Arco-íris”, conta a história de seis mães chinesas que têm filhos gays, como o próprio cineasta, que também é um ativista a favor da integração dos homossexuais na sociedade do país.

(Da redação)