Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

‘Partygate’: Funcionários de Johnson esconderam festas ilegais da mídia

Relatório de investigação mostra e-mails trocados pela equipe do premiê do Reino Unido sobre eventos durante lockdown: 'parece que nos safamos'

Por Amanda Péchy Atualizado em 25 Maio 2022, 09h57 - Publicado em 25 Maio 2022, 09h48

Um relatório publicado pelo governo do Reino Unido nesta quarta-feira, 25, sobre uma série de eventos realizados pelo premiê Boris Johnson durante o lockdown contra a Covid-19 no país afirmou que ele “deve assumir a responsabilidade” por uma cultura que permitiu que as festas ocorressem.

O escândalo que envolve festas em Downing Street, a residência oficial do líder do governo, que iam até as primeiras horas da manhã, com funcionários bêbados vomitando e brigando entre si, manchas de vinho tinto nas paredes e uma festa de aniversário ilegal para o primeiro-ministro britânico – completa com seis engradados de cerveja e dezenas de sanduíches – ficou conhecido como “Partygate”.

Agora, Johnson enfrenta uma batalha para salvar seu cargo. O relatório afirma que “não há desculpa para alguns dos comportamentos” investigados, como “consumo excessivo de álcool”. Registros de trocas de e-mail também foram apresentados, incluindo alguns em que a equipe do premiê discutia abertamente esconder suas festas da mídia.

O relatório investigou 16 eventos que ocorreram no coração do governo enquanto o Reino Unido vivia sob estritas restrições ao Covid-19.

Uma foto de Johnson com uma lata de cerveja em sua festa de aniversário foi incluída no dossiê. A investigação também descobriu que ele participou de uma festa no jardim de Downing Street em maio de 2020 por cerca de meia hora, onde aproximadamente “de 30 a 40 pessoas” estavam presentes. Também havia bebidas alcoólicas na ocasião.

“Você também pode sugerir que os convidados tragam sua própria bebida? Não tenho certeza se teremos o suficiente”, disse um e-mail de Martin Reynolds, principal secretário particular de Johnson, segundo o relatório. No dia seguinte, Reynolds observou que a mídia não havia noticiado a festa, escrevendo para um colega: “Parece que nos safamos disso”.

Em uma troca de e-mails, os funcionários foram instruídos a evitar “andar por aí com garrafas de vinho” enquanto a mídia estava no prédio e a manter a música baixa quando uma coletiva de imprensa sobre a Covid-19 estava ocorrendo.

Alguns funcionários se sentiram desconfortáveis ​​com o comportamento da equipe de Johnson, mas temiam denunciar o problema, segundo o relatório. E em outras ocasiões, os guardas e Downing Street foram maltratados pelos convidados dos eventos.

Continua após a publicidade

Quando a mídia britânica denunciou o Partygate, o premiê inicialmente negou que qualquer evento tivesse ocorrido. No entanto, 16 festas foram investigadas pelo governo, 12 pela polícia – e o próprio Johnson já foi multado por participar de pelo menos uma delas.

+ Corroído por escândalos, Boris Johnson perde terreno em eleições locais

Em um discurso inicial na Câmara dos Comuns nesta quarta-feira, 25, Johnson agradeceu a investigação e renovou seu pedido de desculpas pelo evento em seu gabinete pelo qual foi multado. Ele declarou que assumiria total responsabilidade por tudo o que ocorreu em seu turno.

No entanto, o premiê afirmou que faltava contexto para algumas das acusações sobre as festas. Segundo ele, alguns eventos foram apropriados porque eram festas de despedida para funcionários que estavam deixando o governo. O líder britânico diz que sua participação nesses eventos pode ser considerada aceitável.

Além disso, Johnson alegou que não tinha conhecimento das festas que ocorreram durante a madrugada. Ele afirmou que não esteve presente em nenhuma dessas ocasiões e ficou surpreso e “chocado” com o que descobriu, particularmente com a forma como a equipe de segurança e limpeza foi tratada.

+ Escândalo do Partygate coloca governo de Johnson em risco pela 1ª vez

Mesmo assim, admitiu que quando disse que “as regras da Covid-19 foram seguidas o tempo todo”, ele estava errado.

Alguns dos parlamentares de seu próprio partido conservador juntaram-se aos apelos da oposição para que ele renuncie nas últimas semanas. Johnson agora enfrenta a tarefa de convencer seus colegas a apoiá-lo, apesar da série de alegações e do inquérito condenatório.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)