Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Partido Pirata ‘antissistema’ pode vencer eleições na Islândia

Defensor da participação popular no governo, o partido quer criar um nova constituição com ideias do povo e oferecer asilo a Edward Snowden

Por Da redação 26 out 2016, 12h26

Democracia direta, transparência de governo, privacidade on-line e descriminalização das drogas são as propostas do partido que pode sair vitorioso na Islândia, nas eleições do próximo sábado. O Partido Pirata, fundado há apenas quatro anos, tem feito sucesso com sua imagem de “antissistema”, que procura se afastar das definições de esquerda e direita políticas.

Fundado por ativistas digitais, anarquistas e hackers, o partido ganhou força nos últimos anos após escândalos revelados no Panama Papers. Em abril, o primeiro-ministro Sigmundur Davið Gunnlaugsson renunciou ao cargo depois que documentos vazados revelaram que ele e sua esposa mantinham milhões de dólares em uma offshore. Seu substituto foi obrigado adiantar a data das eleições, que estavam previstas para o próximo ano.

A onda de revolta da população pode gerar mais uma surpresa na política mundial em 2016, marcada pela tendência de quebrar com o tradicional. O partido radical aparece com 22,6% das intenções de voto em uma pesquisa da Universidade da Islândia, logo à frente do Partido da Independência. O resultado pode lhe render entre 18 e 20 cadeiras no Parlamento de 63 membros, longe dos três que conseguiram em 2013.

Apesar de prometer uma reviravolta no governo, as propostas do Partido Pirata ainda são vagas. O que garantem é que irão transformar a Islândia em um “paraíso da segurança digital” e que a população estará mais envolvida do que nunca na tomada de decisões do governo. O plano é que os cidadãos possam propor novas leis e, até mesmo, construir nova constituição. Os Piratas também querem oferecer asilo político a Edward Snowden, ex-analista de segurança americano que revelou o alcance da espionagem digital feita pelos Estados Unidos.

Em um país com a economia estabilizada, baseada em pesca e turismo – e completamente recuperada após a crise de 2008 –, existe pouco medo sobre as consequências de ter um partido radical no poder. “As pessoas querem mudanças verdadeiras e entendem que precisamos modificar o sistema e modernizar como fazemos as leis”, explica a líder Birgitta Jónsdóttir ao jornal The Guardian.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)