Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Parlamento rejeita pedido de votação de acordo do Brexit

Boris Johnson precisava da autorização do presidente da Câmara dos Comuns para obter apoio para votar seu acordo com a UE nesta segunda

Por Da Redação - 21 out 2019, 12h02

O presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow, recusou o pedido do primeiro-ministro Boris Johnson para que o Parlamento votasse sua proposta de acordo para o Brexit nesta segunda-feira, 21, após um primeiro adiamento no final de semana.

Segundo Bercow, o pedido do governo é “em substância o mesmo” apresentado no sábado 19, e não houve mudanças nas circunstâncias desde então para que uma votação fosse reconsiderada.

Johnson precisava da autorização de Bercow para tentar mais uma vez obter o apoio dos parlamentares para seu acordo com a União Europeia (UE).

O premiê convocou o Parlamento para uma sessão no sábado, algo que não acontecia desde a guerra das Malvinas em 1982. Johnson estava confiante de que conseguiria a aprovação negada por três vezes à sua antecessora Theresa May, mas conseguiu apenas que os deputados adiassem a decisão até a aprovação da legislação necessária para implementar o Brexit.

Publicidade

Desta maneira, apesar de sua contrariedade, o premiê se viu obrigado a solicitar à UE um novo adiamento da data do Brexit, inicialmente previsto para março e prorrogado por duas vezes. A data prevista para o divórcio é 31 de outubro.

Johnson, porém, disse em diversos momentos que preferiria “morrer em uma vala” antes de pedir a prorrogação do início do Brexit para o final de janeiro. Por isso, aparentemente tentou sabotar sua própria solicitação de adiamento ao enviar um documento à UE sem sua assinatura.

Nesta segunda, a Comissão Europeia afirmou que a forma como a carta foi enviada “não muda nada” e o bloco considera o pedido de extensão de qualquer maneira.

O presidente da Câmara dos Comuns tem o poder de recusar a votação, uma vez que as regras da Câmara dos Comuns, de modo geral, impedem que uma mesma medida seja considerada uma segunda vez durante a mesma sessão do Parlamento, a menos que tenha ocorrido alguma alteração.

Publicidade

Bercow foi uma das figuras políticas mais controversas do processo do Brexit. Muitos acreditam que ele usou de sua posição para dar tratamento preferencial a parlamentares contrários à saída do Reino Unido da UE.

O presidente anunciou em setembro que renunciará ao cargo no dia 31 de outubro.

Publicidade