Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Parlamento elege curdo como novo presidente do Iraque

Fouad Massoum substituirá Jalal Talabani em meio ao caos no país

O Parlamento do Iraque elegeu nesta quinta-feira o curdo Fouad Massoum como presidente do país. Massoum, um ex-guerrilheiro curdo de 76 anos que comandou tropas rebeldes durante a ditadura de Saddam Hussein, recebeu 211 de 269 votos e substituirá o também curdo Jalal Talabani. Massoum é um político veterano que presidiu o Parlamento durante o governo de transição instalado depois da queda de Saddam Hussein e ajudou a reescrever a Constituição do país. Depois da eleição do presidente e a escolha do sunita Salim al-Jubouri para chefiar o Parlamento, na última semana, resta o difícil debate sobre quem será o novo primeiro-ministro, discussão que deverá evidenciar as profundas divisões do país.

Leia também:

Cristãos fogem de Mosul para não serem assassinados

Polícia encontra 50 corpos de civis executados no Iraque

A aliança de partidos xiitas do atual premiê Nouri al Maliki saiu vitoriosa nas eleições parlamentares realizadas em abril deste ano. O bloco Estado de Direito conseguiu 92 assentos de um total de 328 na Câmara dos Deputados, mas, como não obteve a maioria, precisa de alianças para formar um governo. Maliki, que já ocupa o posto de chefe de Estado há dois mandatos, disse que não pretende abandonar a disputa por um terceiro. O avanço do grupo jihadista Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL ou Isis, na sigla em inglês)pelo território iraquiano, no entanto, faz de sua permanência algo improvável. (Continue lendo o texto)

Em seu objetivo de estabelecer um califado islâmico, o EIIL, sunita, declarou guerra contra os muçulmanos xiitas, que governam o Iraque e são maioria nesse país e no Irã. Ao acender o pavio da maior rivalidade do Oriente Médio – entre muçulmanos sunitas e xiitas -, o EIIL ameaça iniciar um morticínio igual ou superior ao da guerra civil na Síria e mudar a configuração geopolítica da região.

Leia mais:

Vídeo: Chefe jihadista usa relógio caro e condena luxo

Grupo terrorista paga salário de mais de 4 mil reais a jihadistas

Antes da votação para presidente, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, organizou uma entrevista coletiva em Bagdá para pedir a união dos partidos políticos contra o terrorismo. “O Iraque está enfrentando uma ameaça existencial, mas ela pode ser vencida com a formação de um governo firmemente inclusivo. Um governo que pode atender às demandas de todas as comunidades, incluindo segurança e assuntos de ordem política, social e econômica”.

Terror – A eleição ocorreu horas depois de um ataque contra um comboio de prisioneiros ao norte da capital Bagdá que deixou dezenas de mortos, em mais uma demonstração da brutalidade que tomou conta do cotidiano no país. Autoridades iraquianas informaram que o comboio escoltava prisioneiros de um presídio de segurança máxima em Al Taji quando foi atacado. A região é de maioria sunita e os prisioneiros eram em sua maioria sunitas acusados de terrorismo, informou o Wall Street Journal. Em outro incidente, dois carros-bomba explodiram em Karrada, um distrito no centro de Bagdá repleto de lojas e restaurantes. Ao menos quinze pessoas morreram e dezenas ficaram feridas.

Mapa Estado Islâmico do Iraque e do Levante Mapa Estado Islâmico do Iraque e do Levante

Mapa Estado Islâmico do Iraque e do Levante (/)