Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Parlamento de Cuba ratifica novo mandato presidencial de Miguel Díaz-Canel

Em meio a pior crise econômica desde a revolução de 1959 de Fidel Castro, decisão busca proporcionar uma maior estabilidade no país

Por Da Redação
19 abr 2023, 18h43

A Assembleia Nacional de Cuba ratificou nesta quarta-feira, 19, um novo mandato de cinco anos para o presidente Miguel Díaz-Canel. Em meio a pior crise econômica desde a revolução de 1959 de Fidel Castro, a decisão do Parlamento busca proporcionar uma maior estabilidade no país.

Em março, 470 parlamentares foram eleitos em uma votação sem candidatos de oposição, já que a ilha adere ao sistema de partido único. Ainda em julho de 2021, centenas de pessoas foram julgadas e presas após uma série de protestos tomarem as ruas de Cuba, apesar da discordância pública contra o governo seja proibida. A oposição foi, então, progressivamente enfraquecida.

Os recém-eleitos tomaram posse nesta quarta-feira e, em seguida, convocaram uma sessão para decidir a próximas lideranças legislativas e o chefe de Estado. Díaz-Canel alcançou a vitória com 97,66% dos votos.

+ Eleições municipais em Cuba têm menor participação em 40 anos

Eleito pela primeira vez em 2018, o líder do Partido Comunista assume o seu segundo mandato e terá como foco o combate à inflação e à falta de suprimentos, eletricidade e medicamentos na ilha. 

Continua após a publicidade

Em acordo prévio, candidatos para os cargos foram indicados em segredo pelos legisladores e foram submetidos à análise da Comissão Nacional de Candidatura. Aos 91 anos, o parlamentar Raúl Castro, irmão de Fidel e antecessor de Díaz-Canel, participou da reunião.

O crescente descontentamento da população, a consequente emigração, a desvalorização da moeda local e as duras sanções impostas pelos Estados Unidos são obstáculos expressivos para o presidente. Dependente de commodities, a economia cubana depende da exportação do açúcar, que corresponde a 30% do seu faturamento nas divisas.

Somando-se à bola de neve, a queda do turismo provocada pela pandemia de Covid-19 reduziu a arrecadação da principal fonte de receita do país. De acordo com a Bloomberg News, a entrada de turistas reduziu de quatro milhões, em 2019, para apenas 356.000, em 2021. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.