Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Parlamento britânico aprova moção reconhecendo Palestina como Estado

Votação com valor simbólico não deve alterar posição do governo sobre o status do território

Por Da Redação - 13 out 2014, 21h41

Parlamentares britânicos votaram a favor do reconhecimento da Palestina como Estado nesta segunda-feira. A ação não irá alterar a posição do governo no tema, mas tem um valor simbólico.

A moção pede ao governo conservador do primeiro-ministro David Cameron que “reconheça o Estado da Palestina como uma contribuição para assegurar uma solução negociada” que leve à convivência com Israel com base no princípio de dois Estados. O texto foi aprovado por 274 votos contra 12, em uma sessão que contou com menos da metade dos 650 deputados britânicos.

Leia também

Guerra em Gaza não teve vencedor, aponta pesquisa israelense

Publicidade

Novos assentamentos ameaçam relações entre Israel e UE​

O governo não tem relação com esse resultado e o secretário de Estado para o Oriente Médio, Tobias Ellwood, disse durante a sessão que o Estado palestino será reconhecido no momento apropriado. “As aspirações do povo palestino não poderão ser plenamente concretizadas até que a ocupação acabe. Acreditamos que isso só acontecerá com negociações”, disse Ellwood.

O governo de Cameron defende a criação de um Estado palestino, mas como resultado de amplas negociações entre os palestinos e Israel. “O Reino Unido vai reconhecer bilateralmente o Estado palestino quando considerarmos que é o melhor momento para ajudar a estabelecer a paz”, acrescentou Elwood.

O membro da oposição trabalhista, Grahame Morris, defensor do debate e da moção, afirmou que o Reino Unido tem uma “responsabilidade moral” na região pelo fato de ter sido uma potência colonial. “Está claro que as relações entre Israel e Palestina estão em um beco sem saída, como nossa política externa”, lamentou Morris.

Publicidade

“Ao legitimar a solução de dois Estados, os parlamentares terão a capacidade de transformar palavras em ação”, acrescentou.

No início do mês, foi a vez do primeiro-ministro da Suécia, Stefan Löfven, anunciar que seu governo reconheceria o Estado da Palestina. Segundo dados da Autoridade Palestina, 134 países reconheceram o Estado palestino.

(Com agências Reuters e France-Presse)

Publicidade