Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Parlamentares britânicos lançam campanha contra independência da Escócia

Argumento é de que país se beneficia de 'influência única' da Grã-Bretanha

Parlamentares britânicos lançaram nesta segunda-feira uma campanha contra a independência da Escócia, argumentando que o país é beneficiado pela “influência única” da Grã-Bretanha. Alistair Darling, membro do Partido Trabalhista, é o líder da campanha “Better Together” (“Melhores Juntos”, em tradução livre) e afirmou que a Escócia se uniu recentemente ao “melhor dos dois lados” com os poderes atribuídos ao seu parlamento e seu papel no governo britânico.

“O Reino Unido é um país com uma influência única – na União Europeia, no Commonwealth e no G20, grupo das maiores economias do mundo,” afirmou Darling, ex-ministro das Finanças, ao lançar a campanha na capital escocesa. “Por que iríamos abrir mão dessa influência tão profunda?”

Leia também:

Leia também: Escócia planeja ter parlamento independente em 2016

Na Universidade de Napier, em Edimburgo, onde foi lançada a campanha, o parlamentar disse que a Escócia tem, como parte integrante da Grã-Bretanha, “uma influência real” no Conselho de Segurança da ONU, na União Europeia, no Fundo Monetário Internacional (FMI) e na Otan. Ele acrescentou que a independência seria uma “resposta inadequada” aos problemas da economia britânica. “São tempos muito difíceis e de grande incerteza, principalmente na Europa, onde todos os problemas da união monetária estão expostos”.

Apoio – Em apoio à campanha, o primeiro-ministro britânico David Cameron disse que a Grã-Bretanha é “algo pelo qual vale a pena lutar”. “Todos sabemos que a Escócia pode se manter sozinha,” afirmou Cameron, “apenas acreditamos que o Reino Unido é especial e que todos iríamos perder se essa separação acontecesse. Nós valorizamos o nosso lugar no Reino Unido e o lugar da Escócia em nossa família de nações”, acrescentou.

Alex Salmond, primeiro-ministro escocês e líder do partido Nacional Escocês, pró-independência, que planeja promover um referendo no outono de 2014 pela separação da união de mais de 300 anos, lançou sua campanha no mês passado.

(Com agência France-Presse)